Idioma EN
Contraste

BOLSA IMS DE PESQUISA EM FOTOGRAFIA


Edição 2019

Stefania Bril. Fotografia como ação ampliada: prática, crítica e ativação do campo da fotografia 1970-1990.

Em sua edição 2019, a Bolsa IMS de Pesquisa em Fotografia teve por objetivo promover a realização de um estudo sobre a produção de Stefania Bril (1922-1992), em suas diversas facetas, a partir do arquivo produzido pela autora, buscando compreender sua contribuição para o adensamento do campo da fotografia no Brasil entre 1970 e 1992.

Entre 5 de agosto e 4 de outubro de 2019,  o programa de bolsas recebeu 46 projetos de seis estados – Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná e Paraíba –, enviados por 32 pesquisadoras mulheres e 14 homens.

Inscrições encerradas
As inscrições aconteceram de 5 de agosto a 4 de outubro de 2019, e o resultado final foi divulgado em novembro de 2019.

Para a realização da pesquisa, o bolsista teve acesso ao arquivo de Stefania Bril, que se encontra sob a guarda do Instituto Moreira Salles. O arquivo inclui fotografias de sua autoria, produção textual, correspondência, recortes de jornal, entrevistas e produção fotográfica de terceiros. Parte das atividades de pesquisa foi desenvolvida presencialmente na sede do Rio de Janeiro, incluindo encontros periódicos com a coordenação da Bolsa IMS de Pesquisa em Fotografia. Após o término do projeto, cuja duração máxima é de um ano, o pesquisador apresenta um relatório final, um artigo de conclusão do trabalho, além de proferir uma palestra aberta ao público sobre os resultados alcançados, em local a ser definido pelo IMS.


Projeto selecionado

Com o projeto Fechar os olhos para ver: o banal insólito nas imagens e no pensamento fotográfico de Stefania Bril, a pesquisadora Alessandra Vannucci é a grande vencedora da segunda edição da Bolsa IMS de Pesquisa em Fotografia.

O projeto vencedor foi escolhido por unanimidade por uma comissão formada por Ricardo Mendes, parecerista convidado, pesquisador de fotografia e coordenador do FotoPlus, site de referência em história da fotografia no Brasil; Flávio Pinheiro, superintendente do IMS; Sérgio Burgi, coordenador de fotografia do IMS; e Ileana Pradilla, responsável pelo núcleo de pesquisa em fotografia da mesma instituição.

 

Sobre Alessandra Vannucci

Nascida na Itália, Alessandra é também dramaturga e diretora de teatro. Formada em Letras pela Universidade de Bolonha, fez mestrado em Teatro pela UNIRIO e Doutorado em Letras pela PUC-Rio. É professora de Linguagem Fotográfica e Direção Teatral na Escola de Comunicação da UFRJ. Como pesquisadora e ensaista, tem interesse especialmente nas ideias e na obra de artistas viajantes.

É autora, dentre outros livros, de Uma amizade revelada (Rio de Janeiro, 2004); Crítica da razão teatral (São Paulo, 2005); Un baritono ai tropici (Reggio Emilia, 2008) e A missão italiana (São Paulo, 2014). Desde 2012 coordena o Laboratório de Estética e Política da ECO-UFRJ, com apoio da FAPERJ. Desde 1993 ativista do Teatro do Oprimido – método elaborado e desenvolvido por Augusto Boal –, coordena projetos e propõe metodologias no âmbito da luta pela cidadania e da luta feminista.

 

Resumo do projeto vencedor

Nas séries de imagens nas quais organiza sua obra, a fotógrafa Stefania Bril recolhe objetos que adquirem sentidos metafóricos em paisagens urbanas desenhadas por sombras e reflexos de uma luz estourada. Um sol a pino, um sol do dia-a-dia tropical. O corpo paratextual da imagem (um título para a série ou mesmo para cada fotografia) sugere um olhar lúdico que convida o espectador a colher o detalhe insólito na imagem: alguma interferência irônica, surpreendente, aleatória, no banal cotidiano retratado. Um gesto vivo que se insinua, um resto de uso que aparece, uma disputa entre letra e figura ou a escapada ontológica de uma letra que se torna também figura, ao modo de Magritte.

Assim, uma vez esconjurada a banalidade daquela cena, o mistério do aparecimento de algo inesperado surge e estimula a vidência de quem olha. A presumida objetividade da imagem é desconcertada. O espectador vira caçador do que nela é latente, colecionador de pequenos sinais de “vida” no sentido da efetiva presença da artista e de seu objeto: aquele irredutível encontro entre corpos que somente a fotografia testemunha. Não por acaso, o título do primeiro livro da Stefania Bril é Entre (1974).

Esta pesquisa propõe algumas táticas de rejunte do tema do “banal insólito” da produção fotográfica da Stefania Bril com sua ampla produção teórica, de crítica e curadora. Emerge um plano coerente, até mesmo cristalino, na redação iluminada que qualifica a sua escrita, entre imagens (testemunhas, mesmo que parciais, de vida) e teorias da imagem (leituras, reflexões, observações sobre outros olhares); uma coerência que revela esforço, enquanto estrangeira, de compreender sua tarefa intelectual e artística no Brasil das décadas de 1970 e 1980, no qual atuava.


Sobre Stefania Bril

O olhar de Stefania Bril é, antes de ser o da fotógrafa, o da curadora e o da crítica de fotografia. Um projeto lúdico como o de seu livro A arte do caminhão (1981) – em parceria com Bob Wolfenson, com textos de Jorge da Cunha Lima e Ciro Dias dos Reis – deixa explícito o olhar que busca revelar, na foto, uma nova foto: o comentário sobre a desconcertante objetividade da imagem depois que ela se entrega à lente do fotógrafo.


Acervo Stefania Bril no IMS

Iris Foto / Stefania Bril - 1982 a 1991

Seleção de artigos, resenhas, ensaios críticos e entrevistas publicadas na Revista IRIS, entre 1982 a 1991.
Fonte: Acervo Biblioteca de Fotografia Instituto Moreira Salles

Seleção de fotografias de Stefania Bril no acervo do IMS

A autora organizou boa parte de sua obra por séries, entre as quais DescansoConstrução/DestruiçãoBirutexPoetas de Estrada e Tráfego. A maioria das imagens reunidas nesta seleção foi publicada no livro Entre (1974).


Eixo temático

Os projetos inscritos devem se basear no eixo temático: "Stefania Bril. Fotografia como ação ampliada: prática, crítica e ativação do circuito da fotografia nos anos 1970-1990".

A Bolsa IMS de pesquisa em Fotografia em sua edição 2019 tem por objetivo promover a realização de um estudo sobre a produção de Stefania Bril, em suas diversas facetas, a partir do arquivo produzido pela autora, buscando compreender sua contribuição para o adensamento do campo da fotografia no Brasil, entre 1970 e 1992.


Edital e inscrição

O formulário de inscrição e o edital ficaram disponíveis de 5 de agosto a 4 de outubro de 2019.

Além de preencher o formulário, os interessados precisavam enviar o projeto de pesquisa, entre outros documentos elencados no edital, para o endereço bolsadepesquisa@ims.com.br até o dia 4 de outubro de 2019.

O pesquisador contemplado receberá o valor de R$ 30 mil, que será pago em 12 parcelas mensais de R$ 2.500,00. Para concorrer à bolsa, é necessário ter o título de mestre e, caso o candidato seja estrangeiro, residir no Brasil há um ano, no mínimo.

Parte das atividades de pesquisa deverá ser desenvolvida presencialmente na sede do Rio de Janeiro, incluindo encontros periódicos com a coordenação da Bolsa IMS de Pesquisa em Fotografia. Após o término do projeto, cuja duração máxima é de um ano, o pesquisador apresentará um relatório final, um artigo de conclusão do trabalho, além de proferir uma palestra aberta ao público sobre os resultados alcançados, em local a ser definido pelo IMS.