Cinema

Retrospectiva Johan Grimonprez (IMS Rio)

 

A certa altura de dial H-I-S-T-O-R-Y, Leila Khaled, militante da Frente Popular pela Libertação da Palestina e responsável por sequestros de aviões em 1969 e em 1970, nos é apresentada ao som disco de Chaka Khan. I'm every woman, it's all in me / Anything you want done, baby, I'll do it naturally [em tradução livre: Sou toda a mulher, tudo está em mim / qualquer coisa que você quiser, eu farei naturalmente].

A sobreposição de significados é uma característica marcante da obra do artista visual e realizador belga Johan Grimonprez (1962). Seus filmes trabalham com imagens de arquivo dos mais variados tipos: comerciais, cinejornais soviéticos, filmes caseiros, debates entre Richard Nixon e Nikita Kruschev, apresentações de Alfred Hitchcock na televisão. Se em uma primeira instância seriam incongruentes, a colisão destas imagens tal como propõe Grimonprez sublinha a ironia sem esvaziar a dimensão política do material de arquivo e dos períodos históricos abordados, que vão desde a Guerra Fria até os dias atuais.

O cinema do IMS Rio apresenta, nos dias 8 e 9 de julho, 4 filmes de Grimonprez: dial H-I-S-T-O-R-Y, Double Take, Shadow World e Blue Orchides. Em uma feliz coincidência, este programa é apresentado no mesmo mês que o festival Doku.Arts - que já há alguns anos exibiu, nesta mesma sala, Double Take.

 

Esta pequena retrospectiva de Johan Grimonprez é realizada com o apoio cultural do Consulado Geral da Bélgica no Rio de Janeiro.

 

Filmes

dial H-I-S-T-O-R-Y (disque H-I-S-T-Ó-R-I-A)
de Johan Grimonprez
(Bélgica, França, 1997. 68'. Exibição em cópia digital)

Double Take (Olhe novamente)
de Johan Grimonprez
(Alemanha, Bélgica, EUA, Holanda, 2009. 80’. Exibição em cópia digital)

 
Shadow World (Mundo das sombras)
de Johan Grimonprez
(Bélgica, Dinamarca, EUA, 2016. 94’. Exibição em DCP)

 
Blue Orchids (Orquídeas azuis)
de Johan Grimonprez
(Bélgica, 2017. 50’. Exibição em cópia digital)

 

 

Sobre Johan Grimonprez

O artista visual e cineasta belga Johan Grimonprez alcançou aclamação internacional com o documentário dial H-I-S-T-O-R-Y, em 1997. Seus filmes e projetos já foram exibidos em museus do mundo inteiro, incluindo o Hammer Museum (LA), Pinakothek der Moderne (Munique) e MoMA (NY). Suas obras são parte de coleções permanentes de museus como o Centro Georges Pompidou (Paris), o Kanazawa Art Museum (Japão) e Tate Modern (Londres). Grimonprez divide seu tempo entre Bruxelas e Nova York, onde ele leciona na School of Visual Arts. 

  • IMS Rio de Janeiro
  • R$8 (inteira) e R$4 (meia).

Sessões