1799

Charles Landseer nasce em Londres, Inglaterra. É o terceiro dos sete filhos do gravador inglês John Landseer (1769-1852), casado com Jane Potts (1773/4-1840).

 

1816

Ingressa nas escolas da Royal Academy, em Londres.

 

1822

Participa da exposição de inverno da British Institution for Promoting Fine Arts, onde exibe o quadro The delivery of Prometheus.

1824

Participa da exposição inaugural da Royal Society of British Artists com tela First sight of woman.

 

1825

Em 15 de março, Landseer deixa Spithead com destino a Lisboa embarcado no HMS Wellesley. O navio leva a bordo Sir Charles Stuart e sua comitiva. A ocasião marca a partida da missão diplomática Stuart em direção ao Brasil.

25 de março a 25 de maio: Landseer permanece em Lisboa na companhia de Stuart, quando enfim segue ao Rio de Janeiro.

17 de julho: o HMS Wellesley aporta no Rio de Janeiro. A comitiva de Sir Charles Stuart, incluindo Charles Landseer, fica na corte até o mês de novembro desse ano, quando segue viagem ao Norte e ao Sul do Brasil, no HMS Diamond.

 

1826

6 abril: o HMS Diamond regressa ao Rio de Janeiro.

11 de maio: o HMS Diamond, com Stuart e Landseer a bordo, deixa o Rio de Janeiro com destino à Inglaterra.

3 de outubro: o HMS Diamond chega a Spithead.

Logo após o regresso à Inglaterra, Sir Charles Stuart se encarrega da guarda dos desenhos elaborados por Charles Landseer durante a missão diplomática ao Brasil.

 

1827 

Charles Landseer participa de duas exposições, exibindo óleos de temáticas luso-brasileiras:

– 4ª Exposição Anual da Society of British Artists:

Chapel of the Conceição, with Corcovado mountain in the distance, baseada em aquarela integrante do Highcliffe Album;

Sugar Loaf Mountain, Rio de Janeiro, a partir de diversos desenhos e aquarelas do Pão de Açúcar e em Caçadores de borboletas. Tal pintura hoje pertence à Coleção Brasiliana da Fundação Estudar/Pinacoteca do Estado de São Paulo, sob o título de Vista do Pão de Açúcar tomada da estrada do Silvestre. 

Distant view of the mountains of Sintra, with the convent of Nossa Senhora da Pena, from Monte Serra, baseado em esboços tomados da cidade de Sintra, Portugal.

– Exposição de inverno da British Institutution: 

The interior of a Brazilian rancho in the province of Santo Paulo, with a travelling merchant, his slaves, merchandise etc, elaborado a partir do desenho Merchant of St. Paul and Minas resting in rancho. Ambos, desenho e óleo, pertencem atualmente à família Paula Machado.

 

1828 

Participa da exposição de inverno da British Institution, com a tela Group of Portuguese peasants, baseado, provavelmente, no conjunto de esboços de galegos e camponeses presentes no Highcliffe Album.

 

1835 

O caderno de desenhos de Landseer é transferido para o castelo de Highcliffe, propriedade de Sir Charles Stuart na lnglaterra.

 

1837 

Landseer torna-se sócio da Royal Academy of Arts.

 

1845 

Torna-se membro efetivo da Royal Academy of Arts.

 

1851 

Assume a reitoria de ensino da Royal Academy of Arts.

 

1879

Falece em Londres.

 

1924

O historiador brasileiro Alberto Rangel encontra os desenhos de Landseer no Castelo de Highcliffe, a partir de então, o conjunto fica conhecido como “Highcliffe Album”. Além dos desenhos de Charles Landseer, reúne uma lista dos desenhos, esboços e pinturas feitas por Landseer, a cópia da carta de seu pai, John Landseer, a Sir Charles Stuart e obras atribuídas a Jean-Baptiste Debret (1768-1848), a William John Burchell (1781-1863, outro artista integrante da missão comandada por Stuart ao Brasil), e a Henry Chamberlain (1796-1844). A razão pela qual as obras de tais artistas foram parar junto às de Charles Landseer ainda é desconhecida. No total, o Highcliffe Album reúne 340 obras.

 

1926

Adquirido pelo empresário Guilherme Guinle, o caderno de esboços de Landseer retorna ao Brasil.

 

1942 

Alberto Rangel publica o artigo “O Album de Highcliffe” na edição número 6 da revista do então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual IPHAN.

 

1960

Os desenhos de Landseer são transferidos a Cândido Guinle de Paula Machado, sobrinho de Guilherme Guinle.

 

1972 

Alberto Rangel publica em parceria com Cândido Guinle de Paula Machado, o livro Landseer. A publicação, que contou com projeto gráfico de Aloísio Magalhães, reproduziu 145 dos 340 desenhos elaborados durante viagem do artista ao Brasil.

 

1997

A família Paula Machado decide colocar o Highcliffe Album à venda.

 

1999

O Highcliffe Album é leiloado em 29 de abril, na casa Christie’s, em Londres, ocasião em que foi adquirido pelo Instituto Moreira Salles. Previamente, no mesmo mês, as obras integrantes do conjunto estiveram em exibição na mostra intitulada Brasil 1825-26: Charles Landseer e a missão britânica, e trabalhos de Burchell, Chamberlain e Debret na Fundação Maria Luisa e Oscar Americano (SP), e no Centro Cultural Banco do Brasil (RJ).

Entre outubro de 1999 e abril de 2000, o Instituto Moreira Salles (RJ) exibe os desenhos do artista inglês na mostra Rio de Janeiro 1825-26 e outros destaques do Highcliffe Album.

 

2000 

Exposição na Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa: Robert Smith: a investigação na história da arte, entre abril e junho de 2000.

Nesse mesmo ano, as obras de Landseer integraram a Mostra do Redescobrimento, grande exposição comemorativa dos 500 anos da descoberta do Brasil, sediada no pavilhão da Bienal de São Paulo, entre os meses de abril e setembro.

Exposição Viagens tropicais, incluindo “Rio de Janeiro 1825-26 e outros destaques do Highcliffe Álbum”, no Instituto Moreira Salles-SP, em cartaz entre dezembro de 2000 e abril de 2001.

 

2002

Exposição Imagens brasileiras, incluindo “As cidades e seus habitantes: Rio de Janeiro e São Paulo (1825-6)” por Charles Landseer, no Instituto Moreira Salles-RJ, entre abril e junho de 2002.

 

2010-2011 

A mostra Charles Landseer desenhos e aquarelas de Portugal e do Brasil 1825-1826 exibiu grande parte dos desenhos produzidos por Charles Landseer. A exposição percorreu os centros culturais do IMS do Rio de Janeiro e Poços de Caldas no ano de 2010 e de São Paulo em 2011. A mostra deu origem a um livro de título homônimo à exposição, organizado pelo historiador Leslie Bethell, pesquisador de história latino-americana.

 

2012

A exposição Charles Landseer desenhos e aquarelas de Portugal e do Brasil 1825-1826 é montada em Portugal, no Centro Cultural de Cascais.