Sobre João Gilberto Noll

Em 1980, publicou seu primeiro livro, a coletânea de contos O cego e a dançarina. Autor prolífico, Noll lançaria romances e contos nas duas décadas seguintes, os quais resultaram na antologia Romances e contos reunidos, de 1997. Intérprete do sentimento pós-moderno de perda de sentido e de referência, João Gilberto Noll aborda a temática sexual em muitas de suas obras, o que o levou a ser comparado ao escritor e poeta inglês D.H. Lawrence.

Autor de estilo filiado a uma tradição introspectiva, seus personagens são perdidos em grandes solidões, de que é exemplo o romance Acenos e afagos, de 2008. Algumas de suas obras foram adaptadas para o cinema, entre as quais o conto “Alguma coisa urgentemente”, que inspirou o filme de Murilo Salles Nunca fomos tão felizes, de 1984, e o romance Hotel Atlântico, que deu origem ao filme de mesmo título, realizado por Suzana Amaral, em 2009.

João Gilberto Noll morreu em 29 de março de 2017, em Porto Alegre, aos 70 anos.

 

No IMS

O Acervo João Gilberto Noll chegou ao Instituto Moreira Salles em 1998. É formado apenas de arquivo com produção intelectual contendo nove itens, entre os quais cinco cadernos manuscritos, além de datiloscritos dos livros O quieto animal da esquinaA céu abertoBandoleiros, com correções manuscritas do autor, material de divulgação e prova de capa do livro Bandoleiros.

Em julho de 1997, João Gilberto Noll participou do projeto O escritor por ele mesmo, do Instituto Moreira Salles, que compreendeu, inicialmente, a produção de um áudio com leitura de textos de um escritor feita por ele próprio, seguida de um encontro com o autor, em auditório, a maioria deles gravada em vídeo. Noll gravou o vídeo em setembro de 2001.