Idioma EN
Contraste

O show não pode parar

8 de NOVEMBRO DE 2021

No início de 2020 o IMS Paulista seguia com sua programação musical até ser atravessado pela pandemia. Desde então, as apresentações ao vivo que estavam agendadas permaneceram em suspenso. O Instituto decidiu por não cancelar nenhuma delas, na expectativa de um retorno que foi se mostrando cada vez mais longínquo, principalmente no caso dos shows e rodas de samba e choro que aconteciam aos domingos no térreo, onde as aglomerações eram inevitáveis (e desejáveis). Desse compromisso e diálogo com os artistas foram surgindo alternativas, como as que apresentam agora Sapopemba, Henrique Cazes Trio e Xaxado Novo. São três vídeos com cerca de 20 minutos em que tocam e comentam sobre suas influências e vivências musicais, destacando histórias e pesquisas que dão corpo aos seus repertórios.

 

Sapopemba - Cantos da memória

O mestre Sapopemba, percussionista e ogã, junta-se ao também percussionista Ari Colares para relembrar os cantos que permeiam suas memórias mais antigas, destacando os cantos de trabalho que ouvia na sua infância em Alagoas. Dos cantos dos pescadores e das cantigas da lavoura de arroz, às que sua mãe entoava trabalhando.

 

Henrique Cazes Trio - Homenagem a Waldir Azevedo

O cavaquinista Henrique Cazes apresenta e comenta as clássicas Brasileirinho, Delicado e Pedacinho do Céu, de Waldir Azevedo (1923-1980), e sua influência nas gerações seguintes, principalmente no samba e no choro. Acompanhado de seu irmão Beto Cazes, percussionista, e de Rogério Caetano, expoente do violão de 7 cordas, Cazes traz ainda uma música de sua autoria, Sensacional, em diálogo com o repertório do homenageado.

 

Xaxado Novo  - A Banda e suas influências

O grupo apresenta em vídeo um dos principais focos de sua pesquisa: a influência oriental, especialmente árabe, na cultura popular brasileira. Por meio de músicas e depoimentos, os integrantes abordam o canto dos aboiadores, a poesia de cordel, a batida do baião e do xaxado, e outras manifestações de matriz árabe, além de instrumentos como o rebab, o alaúde e o riqq, que deram origem às rabecas, violas e pandeiros, entre outros.