Coleção de DVDs

Box Contatos

Contatos: Três volumes em que um conjunto de imagens (folhas de contato, dispositivos e cópias finais) é comentado por seus autores para uma análise do processo criativo da fotografia. Nesta série baseada em uma ideia de William Klein, 32 fotógrafos discutem seus métodos de trabalho como quem organiza um livro de memórias ou retorna ao acontecimento fotografado com a ajuda de um caderno de notas visuais.

1- A Grande Tradição do Fotojornalismo: Henri Cartler-Bresson / William Klein / Raymond Depeardon / Josef Koudelka / Robert Doisneau / Edouard Boubat / Elliot Erwitt / Marc Riboud / Leonard Freed / Mario Gioacomelli / Helmut Newton / Don McCullin

2- A Renovação da Fotografia Conteporânea: Sophie Calle / Nan Goldin / Duane Michals / Sarah Moon / Nobuyashi Arald / Hiroshi Sugimoto / Andreas Gursky / Thomas Ruff / Jeff Wall / Lewis Baltz / Jean-Marc Bustamante

3- A Fotografia Conceitual: John Baldessari / Bemd & Hills Becher / Christian Boltanski / Alain Fleischer / John Hillard / Roni Hom / Martin Parr / Gegorges Rousse / Thomas Struth / Wolfgang Tillmans

    Vários

  • Título Original: Contacts
  • Ano: 1990 - 2004
  • Duração: 429 min.
  • Idiomas: Alemão, Francês, Inglês, Italiano
  • Formato de tela: 16:9
  • Classificação indicativa: 16 anos

Box Graciliano Ramos

Este box reúne os três títulos da coleção de DVDs do Instituto Moreira Salles baseados em obras literárias do escritor Graciliano Ramos: Vidas secas (1963), Memórias do cárcere (1984), ambos dirigidos por Nelson Pereira dos Santos, e São Bernardo (1972), de Leon Hirszman.

    Vários

  • Ano: 1963-1984
  • Duração: 411 min. aprox.
  • Idioma: Português
  • Cores: Colorido, Preto e Branco
  • Legenda: Sem legenda
  • Classificação indicativa: 14 anos
  • País: Brasil
  • Informações adicionais / Extras:

    Livretos com análises críticas dos filmes.

    Sobre os diretores:

    Nelson Pereira dos Santos (São Paulo, 1928) é Bacharel em direito pela USP. Foi um dos precursores do movimento do Cinema Novo. Realizou pelo menos dois marcos da história do cinema brasileiro: Rio 40 graus (1955), seu longa-metragem de estreia, e Vidas secas (1964), adaptação da obra de Graciliano Ramos, prêmio da crítica no Festival de Cannes.

    Leon Hirszman (Rio de Janeiro, 1937 - 1987), ainda estudante de Engenharia, , iniciou suas atividades em cineclubes e ligou-se a Augusto Boal, Gianfrancesco Guarnieri e Oduvaldo Viana Filho. Foi um dos fundadores do CPC – Centro Popular de Cultura, da União Nacional dos Estudantes (UNE), onde realizou seu primeiro filme, o curta Pedreira de São Diogo (episódio de Cinco vezes favela, 1962). Pelo filme Eles não usam black-tie (1981), adaptação da peça de Gianfrancesco Guarnieri, recebeu Leão de Ouro do Festival de Veneza. Os últimos anos de sua vida foram dedicados ao projeto Imagens do inconsciente, uma série de três documentários sobre três artistas esquizofrênicos do Centro Psiquiátrico Pedro II do Rio de Janeiro, coordenado pela psicanalista Nise da Silveira. O trabalho foi concluido em 1986.