A música popular pós-1967

Novas canções, montagens e sonoridades

Curso

4 aulas com Sergio Molina

Parte de Rádio Batuta apresenta

Quando

3, 10, 17 e 24/5
Quintas, das 19h às 21h

Inscrição

Até a primeira aula
R$ 200.  Vendas pelo Eventbrite

IMS Paulista

Avenida Paulista, 2424
São Paulo/SP

Os Mutantes e Gilberto Gil, c. 1969. David Drew Zingg/Acervo IMS

Sobre o curso

Um estudo das novas técnicas de composição de música popular, que dividiram a criação de canções populares em dois períodos e surgiram e se consolidaram a partir de 1967 – com o lançamento do álbum Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, e que no Brasil começou com a Tropicália, logo a seguir. Sem deixar de cuidar dos enlaces especiais entre versos e melodias, a canção popular passou a focalizar também a construção de diferentes “sonoridades”, que, justapostas, organizam-se em faixas contrastantes ao longo dos álbuns. O curso abordará também a obra de artistas como Milton Nascimento, Caetano Veloso, Arrigo Barnabé e Egberto Gismonti, entre outros.

 


Inscrição

Inscrições até a primeira aula.

4 aulas, R$ 200. Estudantes, professores e maiores de 60 anos têm 50% de desconto em todos os cursos.
Vendas apenas pelo Eventbrite.


Sobre Sergio Molina

Compositor, doutor em música pela USP, coordenador da pós-graduação em canção popular na FASM-SP e professor do ICG (Belém). É autor de Música de montagem: a composição de música popular no pós-1967.


Programa

1) Estudando as matrizes: Tropicália e Beatles.

2) A canção como gênero complexo: montagens em Milton Nascimento (“Sentinela” e “Cais”).

3) Montagens em Caetano Veloso: “Circuladô” e “Giulieta Masina”.

4) Estudando os álbuns: montagens em Arrigo Barnabé, Egberto Gismonti e na canção popular do século XXI.


Conteúdo relacionado

Rádio Batuta

Sergio Molina e a música popular pós-1967

Em entrevista, o compositor que dará um curso em maio no IMS Paulista explica como Sgt. Pepper’s, dos Beatles, mudou o jeito de compor e influenciou Milton, Gil e outros.