Feira no cobogó

Evento

Venda de livros, debates, leituras e sarau

Quando

10/11, sábado, das 14h às 20h
11/11, domingo, das 11h às 20h

Entrada gratuita

Sujeita à lotação do espaço

IMS Rio

Cobogó
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea – Rio de Janeiro - RJ

A Feira no Cobogó reúne, no IMS Rio, pequenas editoras que publicam obras representativas nas áreas da literatura e do pensamento. A exposição e venda de livros ocorrerá na área contígua à entrada principal da casa da Gávea, projetada pelo arquiteto modernista Olavo Redig de Campos. O espaço é cercado, de um lado, por uma parede de imensos cobogós – inspiração para o nome do evento, é um dos cartões-postais do instituto – e, de outro, aberto para os jardins de Burle Marx.

A programação, produzida em parceria com a “Terceira Feira”, inclui debates, lançamentos e, no encerramento, um sarau a céu aberto.

Olavo Redig de Campos na residência de Walther Moreira Salles, c. 1954. Foto de Marcel Gautherot / Acervo IMS

Programação

A primeira edição da Feira no Cobogó acontece em novembro de 2018 no IMS Rio:
- 10 de novembro, sábado, das 14h às 20h
- 11 de novembro, domingo, das 11h às 20h

10 de novembro, sábado

14h – Escrever agora: poesia contemporânea
Manoel Ricardo (Quelônio)
Mayra Redin (Quelônio)
Rafael Zacca (Garupa)
Mediação: Célia Pedrosa (UFF)

17h - João Cabral de Melo Neto e Miró: as relações com a Espanha
Eucanaã Feraz (UFRJ e IMS)
Valéria Lamego (Editora da Verso Brasil)
Ricardo Souza de Carvalho (USP)

11 de novembro, domingo

14h – Ensaio geral: ensaísmo e edição
Paulo Roberto Pires (Revista Serrote)
Clara Barzaghi (N-1)
Mediação: Pedro Duarte (PUC-Rio)

16h – Roçando a língua de Camões: questões de tradução
Thais Medeiros (Rébus)
Pedro Fonseca (Âyiné)
Mediação: Marcelo Jacques (UFRJ)

18h - Sarau de Encerramento
Marcelo Reis de Mello
Yasmin Nigri
Stephanie Borges
Catarina Lins
Estela Rosa
Italo Diblasi
Julia Manacorda
Pedro Rocha
Amora Pêra
Thiago Gallego
Bruna Mitrano
Maria Isabel Iório
Luiz Guilherme Barbosa
Ana Carolina Assis
Lucas Matos
Thadeu C Santos
J Lo Borges
Valeska Torres


Editoras

Além do Instituto Moreira Salles, participarão da feira as seguintes editoras:

Âyiné
A editora ítalo-brasileira publica livros de literatura, arte, filosofia, poesia, política, entre outros temas.

Cobogó
A casa editorial, que completa dez anos em 2018, tem seu foco em obras sobre arte e cultura contemporâneas, das artes plásticas à música, do teatro à arquitetura.

Cultura e Barbárie
Fundada em 2009, é uma editora independente dedicada à publicação de literatura, ensaios de arte, política, filosofia e crítica cultural, autores e textos inéditos ou pouco difundidos no Brasil.

Dantes
Criada há mais de 20 anos, a Dantes produz projetos que geram livros, exposições, encontros, aulas. A Navedantes é a livraria móvel da editora, que funciona numa kombi customizada por Bel Lobo e comandada pelos poetas Pedro Lago e Pedro Rocha.

Garupa
Coletivo editorial que, desde 2014, mantém no ar uma revista digital (revistagarupa.com) dedicada à poesia em suas diversas formas. Em 2016 criou um selo dedicado à poesia contemporânea, que publicou autores como Ana Kiffer, Adelaide Ivánova, Catarina Lins, Italo Diblasi, entre outros. Produz a Terceira, feira de publicações independentes de poesia.

n-1
Fundada em 2011, a n-1 edições produz livros-objeto numa área transdisciplinar entre filosofia, teatro, estética, literatura, antropologia e política, abordando os problemas contemporâneos de maneira plural e aguda. São publicações que unem a escala industrial à produção artesanal, sem formatos pré-concebidos, que vão além do suporte tradicional do papel.

Oficina do Prelo
Galpão/ateliê que funciona desde o final de 2015 na Gamboa, região portuária do Rio de Janeiro. É a sede das editoras Cozinha Experimental e Dodo Publicações, e um espaço dedicado à produção artesanal de livros & zines.

Oficina Raquel
Existe desde 2006 e, desde então, vem se afirmando como uma editora independente, comprometida especialmente com literatura e pensamento. Originalmente uma editora de poesia, a Oficina Raquel segue editando versos, além de romances, ficção breve e teatro, contemporâneos ou clássicos.

Quelônio
Publica literatura brasileira contemporânea e narrativas visuais como fotolivros e livros de artista. A editora foi criada em 2013 pela designer Sílvia Nastari e pelo escritor Bruno Zeni. Em menos de quatro anos, publicou mais de vinte títulos de autores como José Luiz Passos, Paloma Vidal e Cristovão Tezza. Em 2017 a Quelônio passou a funcionar também como tipografia.

Rébus
Publicação e editora independente de arte & poesia, é também uma plataforma para ações e trabalhos visuais. Cada uma das edições impressas da Rébus tem projeto gráfico diferente, explorando as diversas possibilidades de dobras do papel. Algumas obras da editora já inspiraram filmes, instalações e exposição.

Relicário edições
Criada em 2013 pela editora mineira Maíra Nassif, tem duas linhas editoriais distintas:  a de literatura brasileira e estrangeira, e a de teoria, voltada para publicações nas áreas de estética/filosofia da arte, crítica e teoria literária. Em 2017, a linha de literatura ganhou força, com a publicação de, entre outros, Como se fosse a casa, de Ana Martins Marques e Eduardo Jorge, vencedor do Prêmio Bravo! de Melhor Livro.

7Letras
Iniciou suas atividades numa pequena livraria no Jardim Botânico, no Rio. Pioneira no sistema de impressão por demanda, publicou diversos livros de poesia em pequenas tiragens em meados dos anos 1990. Com o reconhecimento dos leitores e da crítica, expandiu o catálogo com publicações acadêmicas em diversas áreas e com a criação das revistas literárias Inimigo Rumor (poesia) e Ficções (de prosa), que ajudaram a revelar nomes importantes da literatura brasileira contemporânea.

Todavia
Romance, ensaio, quadrinhos, biografia, poesia, reportagem e outros gêneros estão presentes no catálogo da editora, em títulos clássicos e contemporâneos, de autores nacionais e estrangeiros.

Verso Brasil
Editora + casa editorial voltada para publicação de livros raros nas áreas de artes e design, cultura popular e literatura. Recebeu o Prêmio Jabuti pelos livros Aniki Bóbó, de João Cabral de Melo Neto e Aloisio Magalhães; e pelo O gráfico amador: as origens da moderna tipografia, de Guilherme Cunha Lima. Com Impresso no Brasil, organizado por Rafael Cardoso, ganhou o prêmio do Museu Casa Brasileira.


Como participar

Entrada gratuita, sujeita à lotação do espaço.


Mais eventos