A memória da violência

Uma conversa sobre feminicídio, racismo e literatura

Roda de conversa

Com Isabela Figueiredo e Selva Almada. Mediação de Fernanda Mena.

Quando

1 de agosto de 2018, quarta-feira, às 19h30

Entrada gratuita

Lugares limitados. Distribuição de senhas 60 minutos antes.

IMS Paulista

Avenida Paulista, 2424
São Paulo/SP


A roda de conversa

No dia 1º de agosto, às 19h30, no IMS Paulista, as autoras convidadas para Flip 2018 Isabela Figueiredo e Selva Almada se encontram para uma conversa sobre feminicídio, racismo e literatura – temas de seus livros publicados este ano pela Editora Todavia.

Quem fará a mediação da conversa entre as duas autoras é a Jornalista e repórter especial do jornal Folha de S. Paulo Fernanda Mena.

Organizado pela Editora Todavia, Instituto Moreira Salles e Flip, o debate é aberto ao público. 


Sobre as participantes

Isabela Figueiredo
Nasceu em Lourenço Marques (atual Maputo), Moçambique, e mudou-se para Portugal aos 12 anos de idade. Seu livro Caderno de memórias coloniais é um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. Também teve seu primeiro romance, A Gorda, publicado este ano. Sucesso em Portugal, é uma poderosa sátira a respeito de auto-imagem e preconceito de um dos nomes mais destacados da literatura portuguesa contemporânea.

Selva Almada
Nasceu em Entre Ríos, Argentina, em 1973. Vem sendo considerada pelos leitores e pela melhor crítica uma das grandes revelações da literatura latino-americana. 
Tem romances e livros de contos publicados, entre eles o romance O vento que arrasa, editado no Brasil pela Cosac Naify em 2015. É autora de Garotas Mortas, um livro de não ficção que parte da história de três assassinatos ocorridos na Argentina, na década de 1980. Os casos se convertem em uma obsessão particular da autora, o que a leva a uma investigação bastante atípica. Sua prosa cristalina mostra como as violências diárias contra meninas e mulheres acabam fazendo parte de algo considerado “normal”.


Como participar

Atividade gratuita. Lugares limitados.

Distribuição de senhas 60 minutos antes.

Limite de 1 senha por pessoa.