Idioma EN
Contraste

Por Dentro dos Acervos Veja Mais +

Depois da queda

23 de julho de 2014

Cai o pano. Logo depois, o elenco se pergunta, sussurrando no palco: “O que será que o Decio achou? Alguém viu a expressão dele durante o espetáculo?”. Era essa a tensão vivida pelos atores que recebessem em sua plateia a presença de um dos maiores críticos teatrais do Brasil: Decio de Almeida Prado. Quem conta é Paulo Autran, que inicia com aquelas perguntas seu depoimento para o livro Decio de Almeida Prado: um homem de teatro, lançado por ocasião dos 80 anos do intelectual: “Sua opinião era importante para todos nós”, admite o ator.

No entanto, mais do que uma opinião favorável ou desfavorável, a capacidade de Decio de aliar seu conhecimento técnico a uma rara sensibilidade poética fez de suas críticas fonte indispensável para aqueles que desejavam conhecer e pensar o espetáculo a partir de seus possíveis significados, desvendados com maestria pelo exercício crítico. Desde o cenário e sua participação na ação dramática à dicção e modulação vocal de um ator, nada escapava ao olhar perspicaz de Decio.

Em 1964, ele assistiu a Depois da queda, peça autobiográfica escrita por Arthur Miller e dirigida por Flávio Rangel, que colocava em cena o relacionamento entre o escritor e dramaturgo norte-americano a atriz Marilyn Monroe, com quem foi casado de 1956 a 1961. Em sua crítica, ele considera o espetáculo “um dos mais harmoniosos que jamais vimos no teatro nacional”, com destaque para as atuações de Maria Della Costa, como Marilyn, e de Paulo Autran, como Quentin. Eles, na sua opinião, “formam um par perfeito”.

 

Paulo Autran na peça Depois da Queda, de Arthur Miller e direção de Flávio Rangel. Fotografia de autor não identificado. Acervo Paulo Autran/IMS

 

No livro Paulo Autran sem comentários, o ator conta seu entusiasmo com o texto, apresentado a ele por Tônia Carrero, e sua identificação com o personagem:

Raramente concordei tanto com as ideias de um personagem, a necessidade da tolerância, a compreensão de que a violência está dentro de cada um de nós e que cabe a nós controlá-la, sua visão do amor, da amizade, da ética, da autoanálise, enfim, todos os temas da peça refletiam o que eu sentia e pensava.

Daí, provavelmente, a “sinceridade” e a “emoção autêntica”, que, aliadas ao “excelente domínio técnico” resultaram na atuação tão elogiada por Decio, que termina seu texto defendendo um ponto de vista contrário aos que alegavam que a obra trazia à cena personagens reais, facilmente identificáveis: “Para o escritor o que há de mais precioso no universo é a sua obra de ficção: ela é, ao mesmo tempo, o seu confessionário e o seu púlpito. Nenhum terreno portanto lhe é interdito, desde que não se ponha em dúvida a sua boa-fé”.

Trecho da crítica de Décio de Almeida Prado sobre Depois a queda, publicada no jornal O Estado de S. Paulo em 9 de agosto de 1964. Arquivo Paulo Autran / Acervo IMS

 


A encenação de Depois da queda 

Decio de Almeida Prado
O Estado de S. Paulo, 9/8/1964

Não há muito que dizer sobre o trabalho de Flávio Rangel: a concordância, em contraposição à discordância, é lacônica, não tendo e não sentindo necessidade de justificar-se. O encenador limitou-se a usar com extrema modernidade as armas tradicionais da sua profissão — o delineamento exato das personagens, o emprego sutil do ritmo e da atmosfera — não recorrendo à imaginação a não ser para compreender e explicitar sem didatismos o texto. O que se vem discutindo desde a estreia é Arthur Miller, não Flavio Rangel, sinal de que a sua função de intérprete entre autor e público foi exercida com rara competência e discrição. Os elogios que lhe cabem estão assim disseminados por todo o espetáculo — um dos mais harmoniosos que jamais vimos no teatro nacional. Emoção relembrada na tranquilidade foi como Wordsworth definiu a poesia. Pois não falta a Depois da queda nem mesmo esta serenidade poética, que transforma o próprio sofrimento, a própria violência, em verdades artísticas.

Elogio semelhante poderia ser feito ao cenário de Flávio Império, um homem de teatro que, sendo arquiteto, pensa sempre espacialmente, preocupando-se não em compor um quadro mas em fornecer um suporte para a ação; e, sendo artista, nunca se contenta com este estágio meramente artesanal, isto é, com a solução dos problemas de ordem prática. É um cenário simples e variado, funcional e abundante de plasticidade, oferecendo aos atores diversas áreas de representação à medida em que se vai desdobrando em novas surpresas para os olhos.

Quentin — ele mesmo o diz — é um espelho que reflete as demais personagens. É pura consciência, pura subjetividade. Assim o interpreta Paulo Autran, como um homem mais de pensamento que de ação, dividido sempre pelo seu agudo senso de autocrítica. Haveria uma difícil questão técnica a resolver — distinguir entre as falas dirigidas às personagens e as endereçadas ao interlocutor imaginário — mas o ator passa com tanta maestria de um registro a outro que nem chegamos a perceber a dificuldade vencida. Num dos extremos do papel está a ânsia de saber toda a verdade sobre a conduta humana, inclusive a sua, o desespero, antes intelectual do que emocional, diante da impossibilidade de traçar fronteiras entre a sinceridade e a simulação. No outro extremo, aponta um sutil senso de humor, uma sombra de ironia — frente a Maggie, por exemplo, que ele trata como criança — que não chega a se impor porque não quer abusar de sua superioridade intelectual. Ele deseja ser mais humano do que os outros mas frequentemente o é menos, porque não se abandona ao fluxo da vida; quer ser mais compreensivo mas nem sempre consegue esconder um certo cansaço em face da estupidez alheia — será que os outros não compreendem nunca nada?

Maria Della Costa, como Maggie, é ao contrário pura animalidade, pura inconsciência — qualidades não intelectuais que atraem poderosamente o intelectual — ou pelo menos essa é a imagem que fabricou para si mesma, o abrigo em que se refugiou. Quentin, em parte por amor, por atração física, em parte por enternecimento, comiseração, decide acordá-la do seu sono letárgico — mas esse despertar só poderá significar, para ela, o confronto com as próprias inadequações. Maggie luta por adquirir uma nova personalidade, equilibra-se instavelmente entre a autoafirmação, que se faz a custa dos outros, e autonegação, que se faz a custa de si mesma, encontrando paz apenas nos tóxicos e no suicídio. Não terá compreendido nada a seu respeito, no entanto, quem não adivinhar por baixo da sua afrontosa vulgaridade não só uma imensa generosidade — certamente muito maior que a do Quentin — mas também um núcleo de inteligência e de honestidade pessoal que nunca teve ensejo de se expandir.

Lado a lado, Paulo Autran e Maria Della Costa formam um par perfeito, acompanhando com exemplar maleabilidade as variações do texto. Surpreende-nos não tanto a sinceridade, a emoção autêntica — virtudes que não faltam ao nosso melhor teatro — como o excelente domínio técnico. A cena do parque, em particular, o primeiro encontro entre os dois, não cremos que possa ser feita com mais graça e leveza em qualquer outro país.

Márcia Real, na hierarquia dos desempenhos, viria logo a seguir. Toda a sua maneira de ser, desde o seu perfil até a sua dicção exata e cortante, serve para delinear a personagem: beleza sem feminilidade, inteligência sem agudeza psicológica, correção moral sem tolerância. Thereza Austregésilo — a terceira esposa — cumpre com eficiência a função quase impossível que o texto lhe reservou: não ser quase nada e sugerir quase tudo. Dina Sfat — a moça que abençoa Quentin — é a lembrança agradável e fugidia que deveria ser.

Não há espetáculo em São Paulo, de alguns anos para cá, que de uma maneira ou de outra não deva alguma coisa à Escola de Arte Dramática. A sua contribuição, no presente espetáculo, traduz-se no bom desempenho de três atores coadjuvantes. Ripoli Filho e Juca de Oliveira, desde a estreia, amadureceram extraordinariamente a importante cena que têm em conjunto, definindo com muita nitidez o antagonismo entre os respectivos temperamentos. E Sylvio Zilber — o irmão mais velho — passa discretamente pelo drama com a firmeza que lhe é peculiar. Suzy Arruda e Carlos Garcia (mãe e pai de Quentin) têm os dois desempenhos porventura mais discutíveis: ela, porque Flávio Rangel deu à personagem uma interpretação demasiadamente adversa; ele, devido ao vício, herdado do velho teatro, de não modular a voz, usando-a sempre com o máximo de intensidade. Mas não chegam a destoar.

Depois da queda tem sido criticada, sobretudo nos Estados Unidos, por trazer à cena personalidades reais, que ninguém terá dificuldade em reconhecer. Não é esse o nosso ponto de vista. “Tout au monde existe pour aboutir à un livre”, disse Mallarmé, resumindo numa frase todo o catecismo da arte — pois que se trata na verdade de uma religião. Para o escritor o que há de mais precioso no universo é a sua obra de ficção: ela é, ao mesmo tempo, o seu confessionário e o seu púlpito. Nenhum terreno portanto lhe é interdito, desde que não se ponha em dúvida a sua boa-fé. Depois da queda é sem dúvida, como se tem alegado, um in memoriam dedicado a Marilyn Monroe. Mas confessamos não ver nada de irrespeitoso em obra tão fundamentalmente dominada pela obsessão da verdade — qualquer que seja o preço que se tenha de pagar para chegar até ela.

 

Mais

Acervo Paulo Autran no IMS
Lisbela na companhia de Autran
Um abraço carinhoso do Paulo Autran

Sobre os acervos

Mais IMS