Idioma EN
Contraste

Albert Frisch

frisch.ims.com.br

Albert Frisch (1840-1918), nascido em Augsburgo, na Baviera, foi, até o fim do século XX, um personagem tão misterioso na história da fotografia brasileira que muitos supunham nunca ter existido. Segundo essa hipótese, seria apenas um pseudônimo o “A. Frisch” que assinava a impressionante e pioneira série de 98 fotografias realizadas em 1867 e 1868 na Amazônia – que incluem aspectos de fauna e flora e, principalmente, os primeiros registros que chegaram até nós de índios brasileiros da região. Por seu valor etnográfico, essas imagens foram comercializadas com sucesso pela Casa Leuzinger, em suporte cartão, com fino acabamento. O estudo dos documentos reunidos pela família Leuzinger, doados ao IMS em 2000, e a posterior localização de Klaus Frisch, neto do fotógrafo, pelo pesquisador Frank Stephan Kohl, permitiram reconstituir a trajetória de Frisch.

Em outubro de 2019, o IMS, que já abrigava em seu acervo aproximadamente 40 imagens de Frisch, algumas delas pertencentes à série da Amazônia, arrematou, num leilão da Sotheby's, em Nova York, um conjunto completo das 98 imagens, tal como editadas e comercializadas por Georges Leuzinger.

Aprendiz de uma litografia em Paris, Frisch deixou a Europa em 1861 para tentar se estabelecer em Buenos Aires como comerciante de imagens religiosas. Fracassado o empreendimento, atuou como professor particular até tornar-se amigo de um fotógrafo alemão e, com ele, aprender o ofício. A data exata de sua chegada ao Brasil é incerta, mas há indícios de que já trabalhava para a Casa Leuzinger antes de 1866. Documentou  paisagens do Rio de Janeiro e seus arredores. Sua obra mais relevante, contudo, foi realizada durante a expedição fotográfica à Amazônia, aonde chegou pegando uma carona com o engenheiro alemão Franz Keller, que acabava de se tornar genro de Georges Leuzinger e fora contratado para fazer um levantamento da navegabilidade do rio Madeira.


Seleção de obras

VISUALIZAR POR
“Tarumã. Afluente do Rio Negro, com a canoa do fotógrafo”. Rio Negro, Amazônia, 1867-68. Imagem publicada pela Casa Leuzinger em 1869, no conjunto Resultado de uma expedição fotográfica pelo baixo Solimões ou Alto Amazonas e pelo rio Negro. Fotografia de Albert Frisch / Acervo IMS

Autorretrato de Frisch no Tarumã, afluente do rio Negro

Maloca

Rio Negro

Vista urbana da cidade de Manaus

Casario na região do rio Amazonas

Maloca, habitação dos índios Ticuna

×
<
>
“Tarumã. Afluente do Rio Negro, com a canoa do fotógrafo”. Rio Negro, Amazônia, 1867-68. Imagem publicada pela Casa Leuzinger em 1869, no conjunto Resultado de uma expedição fotográfica pelo baixo Solimões ou Alto Amazonas e pelo rio Negro. Fotografia de Albert Frisch / Acervo IMS

Autorretrato de Frisch no Tarumã, afluente do rio Negro

Albert Frisch

- AM - Brasil - 1865

Maloca

Albert Frisch

- AM - Brasil - 1865

Rio Negro

Albert Frisch

Manaus - AM - Brasil - 1865

Vista urbana da cidade de Manaus

Albert Frisch

- AM - Brasil - 1865 circa

Casario na região do rio Amazonas

Albert Frisch

- AM - Brasil - 1865 circa

Maloca, habitação dos índios Ticuna

Albert Frisch

- AM - Brasil - 1867 circa


Cronologia

Nascido em 1840 em Augsburgo, no então Reino da Baviera, o alemão Christoph Albert Frisch desembarcou na América do Sul em 1862, com a ideia de vender gravuras religiosas na Argentina. Dois anos mais tarde chegava ao Rio de Janeiro, e em 1865 foi contratado pelo suíço Georges Leuzinger para trabalhar em seu ateliê fotográfico. Já aclimatado ao novo ofício, seguiu viagem para a Amazônia em 1867 e realizou uma expedição pelo Rio Solimões, durante a qual produziu cerca de 120 imagens. Voltou à Alemanha em 1870, onde abriu em Berlim sua própria editora e se estabeleceu como especialista na reprodução fotomecânica de imagens. Morreu em 1918, aos 78 anos.


Por dentro dos acervos


Conteúdo relacionado


Pesquise no acervo de Fotografia

Estão disponíveis cerca de 40 mil imagens para pesquisas online. Você pode realizar buscas, cadastrar-se para salvá-las ou enviar sua seleção de imagens, caso deseje utilizá-las. Na base de dados a visualização das imagens é de até 200% de ampliação. As alternativas de ação são busca livre; busca avançada; solicitação de uso de imagens e opções de visualização.

Fotos de Marc Ferrez, Maureen Bisilliat, Thomaz Farkas e Chico Albuquerque / Acervo IMS

Atendimento ao pesquisador

IMS Rio de Janeiro

Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ
CEP 22451-040

Consulta presencial

Temporariamente suspensa

Contato

fotografia.ims@ims.com.br

A consulta presencial será realizada através de um banco de imagens digital, sem o manuseio dos itens originais do acervo, visando a conservação e preservação dos mesmos.

A sala de pesquisa possui número restrito de lugares, portanto solicitamos que nos seja avisado com antecedência a vinda de acompanhante. Caso não possa comparecer no dia e horário agendado, por favor, comunique.

Para o melhor aproveitamento de todos os pesquisadores, não será permitido na sala: uso de celular, notebook, caderno ou similares, consumo de bebidas ou alimentos. Ao lado da sala há um armário destinado para a guarda dos pertences.

O processo de liberação de imagens possui etapas, dentre elas, autorização, elaboração de termo de responsabilidade e custos (dependendo da finalidade de uso). O prazo para conclusão dos pedidos é de até 10 dias úteis porém este limite pode se estender conforme o quantidade de itens solicitados e/ou demanda interna.