Idioma EN
Contraste

Cronologia José Medeiros

1921: Nasce em Teresina (PI), José Araújo de Medeiros.

1939: Muda-se para o Rio de Janeiro.

1946: A convite de Jean Manzon, passa a integrar a equipe de fotógrafos da revista O Cruzeiro, em que permaneceu por quinze anos, período em que realizou diversas viagens pelo Brasil, Europa, Equador, Estados Unidos e África.

1951: Sai na revista a polêmica reportagem “As noivas dos deuses sanguinários”, sobre os rituais secretos de iniciação das filhas-de-santo de um terreiro de candomblé na Bahia, com 38 fotografias de Medeiros e texto de Arlindo Silva.

1957: Publica Candomblé, que ampliava o material da reportagem de 1951, contendo 65 imagens, com ênfase no aspecto visual. Trata-se do primeiro livro de fotografias sobre essa religião no Brasil.

1962: Funda, juntamente com Flávio Damm e Yedo Mendonça, a agência Image.

1965: Começa a trabalhar no cinema, como diretor de fotografia de A falecida, de Leon Hirszman, participando de dezenas de filmes até o final da década de 1980.

1976: Assina a direção de fotografia de Xica da Silva, de Cacá Diegues.

1977: Prêmio de Fotografia do Festival de Gramado (RS) pelo filme Aleluia Gretchen, de Sylvio Back (1976)

1980: Atua como diretor do longa-metragem Parceiros da aventura.

1984: Novamente é diretor de fotografia, em Memórias do Cárcere, de Nelson Pereira dos Santos. Chegou a ministrar aulas de cinema, no final da década de 1980, em Cuba.

1986: É homenageado pela Funarte, com a publicação de um catálogo e uma exposição, intitulada “José Medeiros – 50 anos de fotografia”.

1990: Morre em Áquila, na Itália.

2005: Sai o livro Olho da rua – o Brasil nas fotos de José Medeiros. O IMS adquire o seu acervo fotográfico diretamente dos filhos Zenaide dos Santos Medeiros e José Araújo de Medeiros Filho.

2009: É lançada pelo IMS uma nova edição, ampliada, do livro “Candomblé”, acompanhando exposição de fotografias do autor, tiradas entre 1940 e 1970, sobre esse e outros temas.

Outros acervos

Mais IMS