Idioma EN
Contraste

Cronologia Maureen Bisilliat

1931-1972

1931: Nasce em Englefields Green (Surrey, Inglaterra).

1955: Em Paris, estuda artes plásticas com André Lhote.

1957: Estuda artes plásticas no Art Student´s League, em Nova Iorque, com Morris Kantor. Nesse ano viaja para o Brasil e fixa residência em São Paulo.

1962: Abandona a pintura e passa dedicar-se à fotografia.

1964/1972: Trabalha como fotojornalista na Editora Abril, atuando nas equipes das revistas Realidade e Quatro Rodas.

1965: Expõe em mostra individual no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand.

1966: Publica o livro A João Guimarães Rosa, editado pela Brunner.

1971: Expõe na coletiva Fotógrafos de São Paulo, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.

1972/1977: Viaja com freqüência ao Parque Indígena do Xingu, onde realiza registros fotográficos.

1972: Com Jacques Bisilliat e Antônio Marcos Silva, abre a Galeria de Arte Popular Brasileira O Bode. Seguem-se viagens contínuas pelo Brasil até o inicio dos anos de 1990 à busca de peças representativas da criatividade popular.

Realiza documentários como Yaô-Iniciação de Filho de SantoXingu/Terra, escolhido para abrir o Margaret Mead Film Festival no Museu de História Natural de Nova York, e O Turista Aprendiz, seguindo o roteiro de viagem de Mário de Andrade “De Belém a Manaus, do Madeira a Porto Velho, por Marajó até Dizer Chega”, produzido pela TVC. Apresentado na 18ª Bienal Internacional de São Paulo (1985) e no Salon de la Photo de Paris (1987).

Candomblé. Vila Aracília, Arujá, SP. Maureen Bisilliat/Acervo IMS

1975-1987

1975: Expõe Xingu/Terra (Sala Especial), na 13ª Bienal Internacional de São Paulo. Recebe o Prêmio Especial da Crítica por esta exposição.

1977: Publica o livro A Visita, sobre poema de Carlos Drummond de Andrade, dedicado ao poeta mineiro Alphonsus de Guimaraens.

1978: Publica o álbum Xingusobre detalhes da cultura indígena no Parque Indígena do Xingu, editado pela Raízes.

1979: Expõe Xingu/Terra, em coletiva do Museu de História Natural de Nova Iorque/ Publica calendário com trabalho sobre folclore brasileiro/ Publica, com os irmãos Villas-Boas, o livro Xingu/Território Tribal, premiado como Melhor Livro Fotográfico do Ano pela Kodak, com tradução para o inglês, francês, alemão, e italiano.

1982: Publica o livro Sertões Luz e Trevas, com textos de Euclides da Cunha, editado pela Rhodia e Raízes.

1983: Publica o livro O Cão sem Plumas, sobre poema de João Cabral de Melo Neto, editado pela Nova Fronteira.

1984: Recebe o prêmio Fotojornalismo Abril.

1985: Publica o livro Terras do Rio São Francisco, editado pela Alternativa e Bemge/ Expõe na 1ª Quadrienal de Fotografia, no Museu de Arte Moderna de São Paulo/ Participa da 18ª Bienal Internacional de São Paulo (Sala Especial) com O Turista Aprendiz.

1989: Publica o livro Memorial, com texto de Eric Nepomuceno e fotografias de Cristiano Mascaro, Andreas Heiniger e Calazans Luz.

1987: Expõe O Turista Aprendiz (Sala Especial) no Salon de la Photographie de Paris/ Recebe o prêmio “Melhor Fotógrafo” da Associação Paulista dos Críticos de Arte – APCA, em São Paulo/ Recebe o prêmio Governador do Estado do Rio/Golfinho de Ouro em Fotografia.

1988-2004

1988: Com Jacques e Antônio Marcos é convidada por Darcy Ribeiro a conceituar e levantar um acervo de arte popular latino-americano para a Fundação Memorial da América Latina. Viaja para México, Guatemala, Equador, Peru e Paraguai recolhendo peças para a coleção permanente do Pavilhão da Criatividade.

1989/1996: Com a equipe do Pavilhão da Criatividade, conceitua e organiza várias exposições, além de produzir vídeos. Expõe Teatro do Presídio (Sala Especial), na Seção de Teatro da 20ª Bienal Internacional de São Paulo.

1992: Expõe na coletiva Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, Kunsthaus, Zurique, Suíça.

1994: Publica o livro África: Moda e Cultura na Costa do Marfim, editado pelo Senac-Empresa das Artes/Publica o livroLíbano: Impressões e Culinária, editado pela Empresa das Artes/BMD.

1995: Expõe na coletiva Fotografia Brasileira Contemporânea, no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro/ Publica o livro Chorinho Doce, com poemas de Adélia Prado, editado pela Iochpe-Maxion e Alternativa.

1996: Publica o livro Bahia Amada Amado, com textos selecionados de doze obras de Jorge Amado, editado pela Unisys e Empresa das Artes.

1998: Expõe na coletiva Amazônicas, no Itaú Cultural, São Paulo.

1999: Expõe na coletiva Brasilianische Fotografie, Kunstmuseum Wolfsburg, Alemanha.

2003: Expõe na coletiva Labirintos e Identidades: a fotografia no Brasil de 1945 a 1998, no Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo.

2004: Expõe na coletiva Brasileiro, Brasileiros, Museu Afro-Brasil, São Paulo/ Tem fotos suas incluídas na exposição São Paulo 450 Anos: a imagem e a memória da cidade no acervo do Instituto Moreira Salles, no Centro Cultural Fiesp, São Paulo.

Mais sobre Marc Ferrez +

Outros acervos

7 de agosto de 20205 de agosto de 20204 de agosto de 202029 de julho de 202020 de julho de 202019 de junho de 202019 de junho de 202019 de junho de 202019 de junho de 202019 de junho de 2020

Mais IMS

7 de agosto de 20205 de agosto de 20204 de agosto de 202029 de julho de 202020 de julho de 202019 de junho de 202019 de junho de 202019 de junho de 202019 de junho de 202019 de junho de 2020