Sobre Clarice Lispector

No Recife (PE), para onde se mudou com a família em 1925, Clarice viveu o que considerava “a verdadeira vida brasileira”, longe da influência estrangeira que chegava ao Rio de Janeiro, cidade que a família escolheu para morar em 1935. “Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor”, escreveu ela na crônica “Esclarecimentos – explicação de uma vez por todas”.

Em 1939, Clarice ingressou no curso de Direito da então Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, e, no ano seguinte, começou a carreira de repórter e jornalista em A Noite, do Rio de Janeiro. No mesmo ano estreou com o conto “O triunfo”, publicado na revista semanal Pan, também do Rio. O ano de 1943 foi particularmente importante: casou-se com o diplomata Maury Gurgel Valente e publicou seu primeiro romance, Perto do coração selvagem. A tiragem de mil exemplares se esgotou rapidamente e representou, para Sergio Milliet, “a mais séria tentativa de romance introspectivo”. O crítico Álvaro Lins, por sua vez, considerou Perto do coração selvagem uma “experiência incompleta”. Discordâncias à parte, a obra rendeu à autora o prêmio Graça Aranha em 1944, quando ela se mudou para Nápoles a fim de acompanhar o marido na carreira diplomática: “Sou inteiramente Clarice Gurgel Valente”, declarava ela nesse primeiro ano dos 16 que passaria viajando pelo mundo. No entanto, foi com o nome de Clarice Lispector que publicou o segundo romance, O lustre, em 1945, e assim assinaria toda a sua obra de extraordinária ficcionista.

Apesar do pouco tempo de que dispunha para a literatura, certamente ainda mais reduzido com o nascimento do primeiro filho, Pedro, em Berna, Suíça, em 1948, Clarice publicou, no ano seguinte, seu terceiro romance, A cidade sitiada. Em 1952, de volta ao Rio, lançou Alguns contos e assumiu, sob o pseudônimo de Tereza Quadros, a página feminina intitulada “Entre mulheres”, do jornal Comício. Antes de partir para os Estados Unidos, onde por sete anos acompanhou o marido em mais um posto diplomático, colou grau na Faculdade de Direito, concluindo assim projeto iniciado em 1939. Jamais exerceria a profissão.

Em 1953, nasceu, em Washington, seu segundo filho, Paulo. A carreira literária internacional começaria no ano seguinte, quando a Librairie Plon, de Paris, lançou a tradução de seu primeiro romance sob o título de Près du coeur sauvage, com capa do pintor Henri Matisse. Alternando suas máquinas de escrever Underwood e Olympia no colo para não se afastar das crianças, Clarice continuou a produzir e chegou a escrever “umas oito cópias” de A maçã no escuro, romance que seria publicado em 1961.

Ao separar-se do marido, em 1959, ela retornou ao Brasil e iniciou colaboração no Correio da Manhã, dessa vez sob o pseudônimo de Helen Palmer, na coluna “Correio Feminino: Feira de Utilidades”. A partir daí, conjugaria jornalismo, que lhe possibilitou fazer entrevistas antológicas, e literatura. Achava que seu melhor romance era A paixão segundo G.H., de 1964. Esse romance, ao lado de Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres, de 1969, Água viva, de 1973, e Um sopro de vida, de 1978, entre outros, além dos livros de contos, inclusive infantis, fazem dela um ícone das letras brasileiras no mundo. Para o amigo Erico Verissimo, foi ela, ao lado de Guimarães Rosa, quem, no Brasil, melhor usou a sintaxe psicológica, não a gramatical, “para tentar descrever o indescritível, exprimir o inexprimível”.

Clarice Lispector morreu no dia 9 de dezembro de 1977, na véspera de completar 57 anos, no Rio de Janeiro.

No IMS

O Acervo Clarice Lispector chegou ao ims em 2004. É formado de biblioteca de cerca de 800 livros, parcialmente catalogada; e de arquivo com produção intelectual contendo seis documentos, entre os quais manuscritos dos romances A hora da estrela, de 1977, e Um sopro de vida, de 1978, e datiloscrito encadernado de A bela e a fera, de 1979; correspondência com sete itens, CD com 124 fotos digitalizadas e 18 documentos audiovisuais, além de dois quadros pintados pela escritora. Em janeiro de 2012, o acervo Clarice Lispector recebeu da família um caderno de notas em que a autora fez anotações pessoais sobre diferentes momentos de sua vida.

Em dezembro de 2004, o Instituto Moreira Salles homenageou Clarice Lispector com os volumes 17 e 18 dos Cadernos de Literatura Brasileira. Em setembro de 2009, o IMS realizou a exposição Clarice pintora, em sua sede no Rio de Janeiro, com 16 quadros da escritora pertencentes ao acervo do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa, e curadoria de Liliana Giusti Serra, então coordenadora de Bibliotecas do IMS. Em março de 2012, o IMS promoveu o curso intitulado Clarice Lispector: uma aprendizagem e lançou Clarice Lispector: figuras da escrita, substancioso estudo do professor português Carlos Mendes de Sousa. No final de 2012, o IMS lançou um site dedicado a ela e os e-books Na cavidade do rochedo: a pós-filosofia de Clarice Lispector e Clarice, ela, de Roberto Corrêa dos Santos. Para comemorar a data em 2013, foi realizado o evento Além do vento há outra coisa que sopra, leitura de frases do livro As palavras, organizado por Roberto Corrêa do Santos.

OUTROS ACERVOS