Exposição no IMS Rio apresenta fotografias do malinês Seydou Keïta

Ao longo de sua carreira, Seydou Keïta (1921-2001) produziu inúmeros retratos dos habitantes de seu país. Em seu estúdio, localizado perto da estação ferroviária de Bamako, registrava as expressões, os vestuários e os gostos dos visitantes que passavam por lá. Realizadas entre 1948 e 1962, suas imagens também mostram um período de transformação no Mali, quando o país caminhava rumo à sua independência, em 1960.

Um recorte de sua extensa produção está na mostra Seydou Keïta, que o IMS Rio apresenta entre os dias 05 de setembro de 2018 e 27 de janeiro de 2019. A exposição reúne 130 obras do fotógrafo, considerado um dos precursores dos retratos de estúdio na África. A curadoria é de Jacques Leenhardt, diretor da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, e Samuel Titan Jr., coordenador executivo cultural do IMS.

A mostra inclui 48 tiragens vintage, em formato de 18 x 13 cm, ampliadas e comercializadas pelo próprio Keïta em Bamako, nenhuma delas jamais mostrada no Brasil. As demais 88 obras são fotografias ampliadas na França, sob a supervisão de Keïta, ao longo da década de 1990, quando sua obra é redescoberta no país e também nos Estados Unidos. Em formatos mais clássicos (40 x 50 cm e 50 x 60 cm) ou francamente murais, chegando a 1,80 x 1,30 m, sinalizam a entrada do seu trabalho num circuito internacional de galerias e museus.

Bamako (Mali), entre 1948 e 1963. Foto de Seydou Keïta/ Contemporary African Collection (CAAC) - The Pigozzi Collection

Autodidata, Keïta começou a fotografar logo após receber do seu tio uma Kodak Brownie, câmera popular na época. Curioso, tentava aprender a técnica enquanto trabalhava como carpinteiro, ofício de sua família. Aos poucos, aperfeiçoou sua prática, e também começou a revelar suas próprias imagens. Em 1948, abriu seu estúdio, onde retratou a elite de Bamako, a pequena-burguesia em ascensão em pleno regime colonial, mas também gente do campo em visita à cidade. Funcionários do governo, donos de lojas e esposas de políticos visitavam o fotógrafo, em busca de imagens que simbolizassem o seu status social.

Sua clientela era formada também por jovens, cujas vidas nas metrópoles contrastavam com a rotina e os saberes do campo. Em uma das poucas entrevistas que concedeu, Keïta menciona essas diferenças regionais. “No interior do país, era só pegar minha câmera que todo mundo corria de mim ou me dava as costas. As pessoas acreditavam que era muito perigoso ser fotografado, porque suas almas poderiam ser roubadas. Mesmo na cidade, algumas pessoas mais velhas tinham a mesma convicção.”

Bamako (Mali), entre 1948 e 1963. Foto de Seydou Keïta/ Contemporary African Collection (CAAC) - The Pigozzi Collection

Essa tensão entre modernidade e tradição pode ser identificada nos próprios retratos produzidos pelo fotógrafo. Nas imagens, símbolos tradicionais, como as estampas coloridas dos vestidos, convivem com automóveis e rádios, grandes emblemas do sucesso econômico e de um estilo de vida ocidental. Em seu estúdio, Keïta disponibilizava para seus clientes várias roupas, como ternos europeus e boinas francesas. A convergência desses elementos aparentemente díspares também evoca um momento de ruptura histórica, como pontua Samuel Titan Jr.

“Estamos aqui às vésperas da independência da África Ocidental Francesa. Todos – tanto Keïta como seus clientes – estão às voltas com o gigantesco experimento social que se inaugura então, e a primeira tarefa que se impõe é menos a de tornar uma identidade cultural impoluta que a de tomar nas próprias mãos tudo aquilo que antes, forçosamente, era privilégio do poder colonial, num arco que vai da condução da vida política ao manejo de carros e câmeras, sem esquecer a escolha da roupa que se veste ou da pose que se assume no estúdio do fotógrafo.”

Até disparar o clique, Keïta realizava um procedimento meticuloso de “direção de arte”, compondo cada detalhe da cena. Ele costumava, por exemplo, criar correspondências formais entre os vestidos das mulheres, ricos em desenhos geométricos, e os fundos das fotografias, compostos por tecidos ornados com desenhos. Além de se preocupar com o cenário, ele orientava os clientes, coordenando seus gestos e poses diante da câmera, em busca do melhor ângulo. Como resultado, surgiam imagens delicadas, sempre em preto e branco, feitas a partir da colaboração entre o fotógrafo e seus modelos.

Bamako (Mali), entre 1948 e 1963. Foto de Seydou Keïta/ Contemporary African Collection (CAAC) - The Pigozzi Collection

Também adotada por outros colegas, essa postura de empatia representava uma ruptura com os fotógrafos vindos da Europa que, durante muito tempo, retrataram o continente apenas com o olhar externo e distante do colonizador. “Essa atitude dos fotógrafos africanos demonstra que havia um comprometimento pessoal com seus clientes. Eles se comportavam como verdadeiros cenógrafos de uma existência que eles partilham, como se soubessem inconscientemente que, por trás de suas imagens, estava a dignidade de um povo inteiro, de seu próprio povo, da qual eram emissários”, afirma Jacques Leenhardt.

A mostra, que tem apoio do Institut Français du Brésil e do Consulado Geral da França em São Paulo, chega ao IMS Rio depois de passar pelo IMS Paulista (entre os dias 17 de abril e 29 de julho de 2018).


Mais IMS