Questões permanentes

São mais de 30 anos de reflexão em diversas áreas do pensamento, traduzidos em ensaios e entrevistas que abordam temas tão distintos – e ao mesmo tempo tão intrinsecamente ligados – como política, arte, ética, ciência, costumes, desejo, paixão. Todas essas múltiplas visões sobre a humanidade estão agora disponíveis ao leitor no site Artepensamento, que reúne o vasto material produzido para os ciclos de conferências organizados pelo jornalista e professor Adauto Novaes desde 1986, e publicados em livros a partir de 1987. Feito com o apoio do Instituto Moreira Salles, o site será lançado no IMS Paulista dia 22 de setembro, às 11h, num debate sobre a relação entre o pensamento e a técnica que terá, além de Adauto, Eugênio Bucci, Franklin Leopoldo e Silva e Marcelo Coelho, todos eles participantes dos ciclos.

Nesta primeira fase a plataforma apresentará 318 dos aproximadamente 800 ensaios filosóficos e políticos publicados ao longo do período, e mais de 25 horas de vídeos com entrevistas. O conjunto se revela uma espécie de estudo gigantesco sobre as mutações do corpo e da mente ao longo da história da Humanidade, feito por importantes nomes do pensamento nacional e estrangeiro.

Uma das preocupações de Adauto ao elaborar o site era que todo esse trabalho não virasse “peça de museu”. “Muitos desconhecem a existência de grandes pensadores e ensaístas do período. A nova geração está sempre muito antenada com o aqui e agora e acha que tudo será resolvido de imediato. Então tentamos botar em discussão questões que eram levantadas há trinta anos e são permanentes”, observa ele. “Estamos entrando num período complicado em que os ideais, os valores, tendem a desaparecer.  Há um avanço enorme dos meios de comunicação, há acesso a muita informação, mas pouco pensamento. Tudo acontece numa velocidade tão grande que não há o tempo necessário para o pensamento. Na plataforma o leitor terá esse tempo”.

 

 

No site, um índice remissivo está organizado por categorias, autores, formato (texto ou vídeos), e o campo de busca permite encontrar qualquer assunto. Escreva erotismo e ache, por exemplo, “Platão: as várias faces do amor”, de José Américo Motta Pessanha (1987), ou “Sexo dá o que pensar”, de Robert Darnton (1996). Biotecnologia? Estão lá, entre outros, “Sobre a tecnofobia”, de Gérard Lebrun (1996) e “A ciência no corpo”, de Adauto Novaes (2003), entre outros. A busca sobre ética encontra o vídeo de 1992 no qual o crítico Antonio Candido discorre sobre o tema, pegando como mote a peça Ricardo II, de Shakespeare. O site também será acessível através do portal do IMS, com chamadas regulares para destaques escolhidos a dedo pela equipe da serrote.

O território mapeado pelos seminários é imenso e alguns assuntos provocaram estranhamento até mesmo entre os intelectuais, como lembra Adauto, citando Os sentidos da paixão, que gerou o primeiro livro. “Quando propus foi um choque. Havia uma certa tendência do pensamento, mesmo à esquerda, que entendia as paixões como coisas ilusórias, irracionais e ponto final. Não é bem isso. O homem é todo inteiro paixão. Você não pensa a política sem as paixões, não pensa a sexualidade sem as paixões, não pensa o sentimento humano sem as paixões”, afirma ele.

No dia do lançamento, o debate que acontece no palco e será transmitido ao vivo pela página do IMS no Facebook poderá ser ampliado para a plateia, que contará com muitos dos intelectuais que participaram do ciclo (alguns deles várias vezes), como Maria Rita Kehl, Renato Janine Ribeiro, Celso Lafer, Francisco Foot Hardman, Antonio Cicero, José Miguel Wisnik, Arthur Nestrovski e Leyla Perrone-Moisés, entre outros.