Depois do temporal

1º de março de 2019 |

No dia 6 de fevereiro, um temporal causou enormes estragos na cidade do Rio de Janeiro e no jardim do IMS Rio. Muitas das lindas árvores plantadas há anos foram arrancadas, caíram ou tiveram seus galhos quebrados. Veja no mapa e na descrição abaixo as ávores que a chuva derrubou. Além delas, tombaram outras menores, que não puderam ser identificadas, mas que também farão muita falta, e as touceiras de bambu, que devem rebrotar. Começa agora, depois de terminada a etapa de limpeza e poda das árvores que sobreviveram, a restauração do jardim, seguindo o projeto original de Burle Marx.

Mapa do jardim do IMS Rio, 1951. Pintura de Roberto Burle Marx. Clique na imagem para ampliar
1. Jambeiro (Syzygium malaccense)

Árvore da família das mirtáceas, originária da Índia e da Polinésia, pode alcançar altura de 7 a 12 metros e tem copa com ramagem disposta de forma piramidal ou cônica desde a base. Sua floração cor-de-rosa é um espetáculo, e seus frutos, de pele avermelhada e polpa suculenta, brotam entre janeiro e maio. O exemplar perdido estava em frente à porta de acesso à casa, fazendo par com outro jambeiro, de mesma idade e tamanho.

2. Pau-ferro (Caesalpinia ferrea)

Árvore nativa do Brasil – ocorre do Piauí até São Paulo na floresta pluvial de encosta atlântica. Alcança altura de 20 a 30 metros, com tronco liso e descamante. Muito empregada em paisagismo, tem ótimas características ornamentais e proporciona boa sombra. O pau-ferro que caiu era de grande porte, plantado na época da construção da casa, nos anos 1950, e fazia dupla com outro na entrada de serviço do IMS. Este último sobreviveu.

3. Ingazeiro (Inga vera)

Árvore muito antiga no jardim, provavelmente anterior à construção da casa, estava localizada próxima ao portão de serviços do IMS. Nativa da floresta pluvial atlântica, com floração melífera, produz anualmente grande quantidade de frutos comestíveis, muito apreciados pela fauna silvestre.

4. Aldrago (Pterocarpus violaceus)

Espécie nativa que ocorre do sul da Bahia e Minas Gerais até o Paraná, na floresta pluvial da encosta atlântica. Alcança altura de 8 a 14 metros e tem grande valor ornamental, tanto pela folhagem brilhante e delicada como pela curta, porém bela florada. Estava no jardim da frente do IMS, onde era parceira de um jatobá que também foi perdido.

5. Jatobá (Hymenaea courbaril)

De grande beleza e esplendor quando adulta, alcança altura de 15 a 20 metros e ocorre do Piauí até o norte do Paraná. Com tronco de madeira de lei, hoje em vias de extinção, produz frutos de polpa farinácea, comestível e muito nutritiva. De seu tronco, extrai-se também o “vinho de jatobá”, consumido no passado como tônico e fortificante, e recomendado para a cura de problemas estomacais.

6. Embaúba (Cecropia pachystachya)

Espécie nativa com ocorrência espontânea do Nordeste até Santa Catarina, em várias formações vegetais. Com atributos paisagísticos, devido à forma característica de suas folhas troncos, tem também grande valor ambiental, por sua capacidade de desenvolvimento espontâneo e por servir de alimento para a fauna silvestre. Suas folhas são muito apreciadas pelo bicho-preguiça e seus frutos, produzidos durante o ano todo, são procurados por muitas espécies de pássaros.

7. Palmeira-leque (Coccothrinax barbadensis)

Originária das Antilhas, Porto Rico e Venezuela, caracteriza-se pela altura elevada que atinge quando idosa. A que tombou era muito alta e antiga, provavelmente anterior à construção da casa, nos anos 1950.

8. Palmeira-seafórtia (Archontophoenix cunninghamii)

Nativa da Austrália, cultivada para paisagismo ou para produção de palmito, tem tronco simples e copa elegante e produz muitos frutos de coloração vermelho intenso, consumidos por maritacas e tucanos. O exemplar que tombou com o temporal era muito alto e antigo, provavelmente anterior à construção da casa. Um outro, provavelmente filho da palmeira que caiu, sobreviveu no Jardim Geométrico.

9. Jangada-do-campo (Cordia superba)

Espécie nativa que ocorre no interior de matas úmidas dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. Ficava no deck do cinema e, com um banco a seus pés, fornecia deliciosa sombra para os visitantes.

10. Monjoleiro (Acacia polyphylla)

Espécie pioneira amplamente distribuída pelo país desde a região amazônica até o Paraná, possui copa frondosa, que proporciona boa sombra, além de apresentar linda florada. O exemplar que caiu ficava em frente ao prédio da Reserva Fotográfica.

11. Abacateiro (Persea americana)

Espécie frutífera nativa da América Central, propagada por sementes de fácil germinação, teve muitas mudas plantadas em todo o espaço do IMS pelas mãos do senhor Ozias, antigo caseiro da família. Com o temporal, caíram dois abacateiros.

12. Capororoca (Rapanea ferruginea)

Nativa da Mata Atlântica, de copa piramidal e madeira macia, seus frutos são consumidos por várias espécies de pássaros. O espécime que tombou cresceu espontaneamente perto do edifício da Reserva Fotográfica.

13. Aroeira (Schinus terebinthifolia)

Com altura de até 10 metros, a aroeira é árvore que ocorre no Brasil, de Pernambuco ao Rio Grande do Sul, em várias formações vegetais. Há alguns anos, o IMS plantou algumas mudas na Reserva Técnica Literária como forma de compensação pelas obras de construção desse setor. Entre essas jovens árvores, tombou uma que, devido a sua pouca idade, talvez possa ser replantada.

A hora da restauração

O engenheiro agrônomo Pablo Posso, funcionário da empresa Mangará, que cuida da manutenção dos jardins do IMS Rio, observa que muitas das espécies selecionadas por Burle Marx para o projeto (do início da década de 1950) caíram em desuso. “O objetivo do estudo de recuperação que estamos fazendo agora é analisar o que mais se assemelha ao projeto original, avaliar o que pode ser substituído e o que há disponível no mercado”. Com a queda de árvores de grande e pequeno porte o jardim perdeu áreas de sombra, e a iluminação mais abundante tem que ser levada em conta na hora de escolher as espécies para a restauração.

A perda mais sentida entre as árvores que tombaram foi, sem dúvida, a do jambeiro localizado em frente à recepção do instituto, ali presente desde a construção da casa. Sua floração proporcionava um espetáculo à parte para funcionários e visitantes, e o tapete de pétalas rosas que se formava ao seu redor foi fotografado sob vários ângulos. Um dos admiradores da árvore, o poeta Eucanaã Ferraz, consultor de literatura do IMS, escreveu um belo e emocionado texto, Elegia para um jambeiro, lembrando o impacto provocado pela perda.

O jardineiro Luzinaldo Andrade, também funcionário da Mangará, reconhece que o jambeiro era mesmo “o xodó” da casa, mas como acompanha de perto o jardim desde 2003 (“tenho até ciúme dele”, brinca ele), conta que ficou arrasado com a destruição de tantas outras espécies. “Achei que fosse encontrar um galho quebrado aqui, outro ali. Mas cheguei e vi o estrago. Chorei, escondido mas chorei”.

No vídeo abaixo, de Laura Liuzzi, Pablo e Luzinaldo falam um pouco mais das espécies perdidas e do trabalho de recuperação do jardim.