A tristeza e a piedade, cronica de uma cidade francesa sob a Ocupação – Clermont-Ferrand, 134 mil habitantes, a 387 quilômetros de Paris e a 59 quilômetros de Vichy, entre 1940 e 1944. Montagem de fragmentos de cinejornais e depoimentos de gente da cidade e de políticos; militares alemães, ingleses e integrantes da Resistência Francesa; simpatizantes e colaboracionistas. Marcel Ophuls analisa tanto o processo da memória quanto os próprios acontecimentos da guerra.

Em um encontro com estudantes, em abril de 1979, Marcel Ophuls começou a sua fala da seguinte forma: “A ideia de que um filme demonstra algo resulta de um mal-entendido. Não quis demonstrar algo, quis apenas mostrar. Um filme não demonstra, simplesmente mostra. O cinema é um instrumento excepcional para descrever e interpretar a realidade tal como nós a percebemos, através de fatos e de gestos precisos.”

O DVD é acompanhado por um livreto com texto crítico de Naomi Greene, professora emérita de francês e cinema da Universidade da Califórnia, e traz como extra uma entrevista de Marcel Ophuls a Perry Wolff, produtor de documentários, feita em 1972 para a CBS, canal de TV americano.