Idioma EN
Contraste

Os cadernos de Marc Ferrez

Lançamento do projeto de difusão digital

Conversa

Com Maria Inez Turazzi, Maria do Carmo Rainho (Arquivo Nacional) e Ileana Pradilla (IMS), além da participação gravada de Julio Lucchesi Moraes

Quando

19/10/2021, terça, às 18h

Evento online e gratuito

Transmissão ao vivo com interpretação em Libras pelo YouTube e opção de legendas automáticas para quem assistir pelo Facebook

O Instituto Moreira Salles (IMS) e o Arquivo Nacional (AN) lançam em 19 de outubro o projeto de digitalização e difusão online dos cadernos do fotógrafo Marc Ferrez (1843-1923), que se encontram nas duas instituições. É o primeiro resultado da parceria firmada em 2017 entre o IMS e o AN para elaboração de pesquisas e divulgação de seus acervos conexos.

Um dos principais exemplos dessa complementaridade entre acervos se encontra na Coleção Gilberto Ferrez, no IMS, e no Fundo Família Ferrez, no Arquivo Nacional. Os dois conjuntos abrangem, temporalmente, quase um século e meio, e contêm documentação produzida por três gerações da família Ferrez, dedicada à criação e à difusão de imagens por meios mecânicos. Conservados, cuidadosamente, pelo pesquisador Gilberto Ferrez (1908-2000), neto de Marc, os acervos compõem um raríssimo patrimônio fotográfico e documental, essencial para a memória da fotografia e do cinema no Brasil.

Desse vasto acervo fazem parte os nove cadernos, oito manuscritos e um catálogo impresso de autoria de Marc Ferrez. Os documentos correspondem aos últimos anos de vida do fotógrafo. É o momento em que um Ferrez maduro, tendo já construído uma bem-sucedida carreira fotográfica e comercial, e consciente da relevância de seu legado, sente a necessidade de inventariar sua obra e compilar conhecimentos sobre técnicas e processos fotográficos, extraídos das melhores publicações especializadas de sua época e de sua própria experiência. O período também coincide com a transferência do fotógrafo para Paris, onde, de 1915 a 1922, cuidará dos novos negócios familiares na área cinematográfica.

Os cadernos apresentam conteúdos bastante heterogêneos. Inventários de negativos organizados por caixas, por formato e, às vezes, por assunto. Alguns dos temas observados são: listagens de vistas para lanternas mágicas ou para visualização recreativa em estereoscópios; contabilidade bancária; listas de encomendas de familiares, amigos e clientes; endereços e datas de aniversário de entes queridos; tarefas a cumprir e despesas correntes; fórmulas e soluções para processos fotográficos; receitas culinárias; filmes a visualizar ou distribuidores a visitar.

Os cadernos serão lançados em quatro etapas, bimensalmente, até maio de 2022.

Em 19 de outubro, às 18 horas, uma conversa online entre Maria Inez Turazzi, Julio Lucchesi Moraes e as editoras Maria do Carmo Rainho (AN) e Ileana Pradilla (IMS), pesquisadores e colaboradores do projeto, marcará o lançamento. Os primeiros cadernos disponibilizados serão o Catálogo das vistas, E. de Ferro, Marinha, do acervo do Instituto Moreira Salles, e a Agenda Pathé Frères, do Arquivo Nacional. O Catálogo das vistas... relaciona, sobretudo, as fotografias que integram os principais trabalhos comissionados realizados por Ferrez, como a documentação das ferrovias no Sudeste e Sul do Brasil, as embarcações da Marinha nacional e estrangeira e os edifícios recém-construídos na Avenida Central. A Agenda, por sua vez, traz registros de atividades, contatos e filmes visualizados ou procurados por Ferrez no ano de 1918, em Paris. O documento é um testemunho da estreita parceria comercial entre a família Ferrez e a Pathé Frères, a maior companhia cinematográfica do mundo até a década de 1920.

O projeto de difusão digital dos cadernos de Ferrez conta com a colaboração de pesquisadores convidados e dos quadros das duas instituições, que produzirão textos ressaltando aspectos dos documentos originais.

Marc Ferrez em seu escritório. Rua São José, Centro, Rio de Janeiro, [1905]. Foto de Marc Ferrez. Coleção Gilberto Ferrez/Acervo Instituto Moreira Salles.

Transmissão ao vivo com interpretação em Libras pelo YouTube e opção de legendas automáticas para quem assistir pelo Facebook.

Lançamento do projeto

Participantes

Ileana Pradilla Ceron
Pesquisadora e historiadora de arte, é mestra em história social da cultura pela PUC-Rio. Foi diretora da Divisão de Artes Visuais no Instituto Municipal de Arte e Cultura (RioArte). É autora de Marc Ferrez: uma cronologia da vida e da obra (2019) e coautora da Coleção Palavra do Artista (2000). Organizou os livros Galeria de Artistas: Centro Empresarial Rio 1983-1990 (2020) e Kant: crítica e estética na modernidade (1999). No Instituto Moreira Salles desde 2016, é responsável pelo Núcleo de Pesquisa em Fotografia.

 

Julio Lucchesi de Moraes
Economista e doutor em história econômica pela Universidade de São Paulo. Foi pesquisador convidado da Universidade de Versailles Saint-Quentin-em-Yvelines, da Goethe University Frankfurt e da Universidade de Manitoba. É autor de São Paulo capital artística: a cafeicultura e as artes na belle époque e Sociedades culturaissociedades anônimas: distinção e massificação na economia da cultura brasileira.

 

Maria do Carmo Rainho
Historiadora, doutora em história (UFF), mestra em história social da cultura (PUC-Rio). Pesquisadora do Arquivo Nacional, atua na difusão dos acervos institucionais. Curadora de exposições. Autora dos livros A cidade e a moda (2002); Moda e revolução nos anos 1960 (2014); Retratos modernos (com Cláudia Heynemann, 2005). Seus temas de pesquisa incluem história da fotografia, cultura visual, fotografia de moda, teoria e história da moda.

 

Maria Inez Turazzi
Historiadora, doutora em arquitetura e urbanismo, publicou diversos livros, entre os quais Marc Ferrez (2000) e O Brasil de Marc Ferrez (2005, coautoria). Em 2019, lançou O Oriental Hydrographe e a fotografia; a primeira expedição ao redor mundo com uma “arte ao alcance de todos” (1839-1840), edição impressa e digital do Centro de Fotografia de Montevidéu, com apoio do IMS. É, atualmente, professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em História da UFF.

Como participar

Quando
19/10/2021, terça, às 18h

Evento online
Grátis, não é necessário se inscrever antecipadamente.
Transmissão ao vivo com interpretação em Libras pelo YouTube e opção de legendas automáticas para quem assistir pelo Facebook.

Vacine-se. Use máscara sempre, lave as mãos e use álcool em gel. Evite aglomerações.


Sobre Marc Ferrez

Um dos principais fotógrafos brasileiros do século XIX, Marc Ferrez é o mais significativo nome do período no acervo do IMS. Preservados por seu neto, o pesquisador Gilberto Ferrez, os negativos de vidro e as tiragens produzidas pelo próprio fotógrafo compõem a maior parte da Coleção Gilberto Ferrez, 15 mil imagens adquiridas pelo IMS em 1998.


O projeto de difusão digital

A partir do dia 19/10, às 14h, poderá ser acessado gratuitamente o material do Catálogo das vistas, E. de Ferro, Marinha, do acervo do IMS, e da Agenda Pathé Frères, do Arquivo Nacional.

Até maio de 2022, oito cadernos manuscritos e um catálogo impresso de autoria de Ferrez estarão disponíveis em sua totalidade.