Com poema escrito especialmente pelo poeta Francisco Alvim, o livro reúne 44 fotografias dos 12 profetas esculpidos por Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, que se encontram no adro do santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo (mg). As estátuas, feitas entre 1795 e 1805, são um dos pontos altos do período barroco.

Foi para registrar a importância desse monumento que, em 1950, o Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional incumbiu Marcel Gautherot, fotógrafo francês radicado no Brasil desde 1940, de fazer essas imagens. Seu olhar refinado, de mestre na relação entre fotografia e arquitetura, foi muito além do registro burocrático. Gautherot consegue captar, além da elegância das linhas construtivas do santuário e da excelência técnica do trabalho escultórico, a dimensão espiritual que inspirou o trabalho de Aleijadinho. Todas as fotos pertencem ao acervo fotográfico do Instituto Moreira Salles.

Os versos de Francisco Alvim, além de uma bela reflexão poética sobre o monumento e seu significado na história e na alma do povo mineiro, terminam com a descrição de um evento promovido no adro do santuário por seu cunhado, o cineasta Joaquim Pedro de Andrade, autor de clássicos do cinema brasileiro, como O padre e a moça e Macunaíma.

O livro traz ainda um segundo texto, da historiadora Iris Kantor, que recupera para o leitor contemporâneo os significados históricos dos cultos celebrados no santuário. Ela também relata o processo de construção do monumento, erguido em várias etapas, entre os séculos xviii e xix.