Idioma EN
Contraste

Apresentação

As estampas ukiyo-e

Por Madalena Hashimoto Cordaro

O Instituto Moreira Salles possui um acervo de 155 estampas ukiyo-e, ou “pinturas-brocado”, como as denominavam os antigos habitantes da antiga cidade de Edo (atual Tóquio).

A história do impacto que as estampas xilográficas exerceram sobre os pintores europeus dos fins do século XIX é sobejamente conhecida entre nós, destacando-se não só os muitos impressio­nistas que foram atraídos por seu mundo desconhecido e sofisticado, como também os movimen­tos de renovação na arquitetura (art nouveau) e no design moderno (Bauhaus).

Se as imagens foram absorvidas principalmente por seu caráter visual e interpretadas segundo os gêneros então correntes (paisagem, retrato, natureza-morta, pintura de gênero), estudos mais recentes apontam diferentes conceituações e correlações, uma vez que o Japão, hoje, já não é mais um exótico Oriente.

Ainda assim, tendo sido tão amplo o espectro abrangido pelo ukiyo-e, muitas vezes é difícil decifrar a representação apresentada e, para tentar dirimir, ainda que levemente, a dificuldade em interpretar as estampas representadas na coleção do Instituto Moreira Salles, fez-se necessário um estudo aprofundado sobre este acervo, que acabou se prolongando por mais de cinco anos.

Classificações como figuras-bonitas são certamente associáveis aos nossos retratos; lugares- famosos, a paisagens; usos-e-costumes e trabalhadores, a pintura de gênero, e tal equivalência não estaria equivocada. Entretanto, grande parte das estampas, não somente as da coleção do IMS, está intimamente associada a peças do teatro kabuki e, portanto, encontra-se repleta de personagens em cenas dramáticas, às vezes marcadas com seus signos nomeadores, mas muitas vezes apenas aludidas por meio de enigmas visuais ou turvos jogos lingüísticos. Com o acréscimo da poesia e dos escritos clássicos, o conhecimento desse repertório sem dúvida amplia a fruição da imagem, pois, em sua origem, pintura e poesia são atividades indissociáveis no Japão, como claramente o mostra a caligrafia.

Assim foi que um gênero que se compreendeu como “arte popular” passou a se caracterizar por erudição e sofisticação, num cultivo aos clássicos, especialmente do período clássico Heian (794-1186). Narrativas de Genji, escrito pela dama da corte Murasaki Shikibu, Narrativas de Ise, de suposta autoria do poeta exímio no amor, Ariwara-no Narihira, e o Livro do travesseiro, ensaios e crônicas de Sei Shônagon, são retomados, no que tange a alusões de amores elegantes e jogos de fruição elaborados. Some-se, ainda, nas fabricações de obras guerreiras e sociais, a retomada de Narrativas do clã Taira e Narrativas de Soga, obras de autores desconhecidos do período Kamakura (1186-1333), provavelmente de colaboração coletiva de anônimos cantadores ambulantes, no que tange a alusões a injustiças cometidas pelos samurais ora atuantes. O amor à poesia fez produzir, ainda, estampas com elogios aos poetas, com a divulgação de seus tankahaikaisenryü ou kyôka mais famosos. Faz-se mister citar também as narrativas de fantasmas, crimes e submundo, que povoaram os escritos e as imagens a partir de meados do século XVIII.

Madalena Hashimoto Cordaro é professora e artista plástica. Foi curadora da exposição 'Mundos flutuantes', com estampas da coleção de ukyio-e do IMS.


Seleção de obras

VISUALIZAR POR

Sem título

36 vistas da Capital do Leste – Flores e casa de chá Umeya do Distrito de Kameido

×
<
>

Sem título

Ukiyo-e

- - -

36 vistas da Capital do Leste – Flores e casa de chá Umeya do Distrito de Kameido

Ukiyo-e

- - -


Conteúdo relacionado


Loja IMS


Pesquise no acervo de Iconografia

Estão disponíveis para pesquisa on-line cerca de 1.800 obras de iconografia brasileira do século XIX. Você pode realizar buscas livres, avançadas, ou navegar pelas categorias mapas, álbuns, imagens e textos. O acesso ao banco de dados oferece a possibilidade do usuário se cadastrar para salvar sua pesquisa, e uma ferramenta de zoom que permite observar as imagens em detalhes.

Detalhes de obras de J. Carlos, Araújo Porto-Alegre, Von Martius e Luiz Schlappriz / Acervo IMS

Atendimento ao pesquisador

IMS Rio de Janeiro

Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ
CEP 22451-040

Consulta presencial

Agendamento por e-mail com 72h de antecedência.
De segunda a sexta-feira, das 10h às 12h30, e das 14h às 18h.

Contato

iconografia@ims.com.br

A consulta presencial será realizada através de um banco de imagens digital, sem o manuseio dos itens originais do acervo, visando a conservação e preservação dos mesmos.

O processo de liberação de imagens possui etapas, dentre elas, autorização, elaboração de termo de responsabilidade e custos (dependendo da finalidade de uso). O prazo para conclusão dos pedidos é de até 10 dias úteis porém este limite pode se estender conforme o quantidade de itens solicitados e/ou demanda interna.

A sala de pesquisa possui número restrito de lugares, portanto solicitamos que nos seja avisado com antecedência a vinda de acompanhante. Caso não possa comparecer no dia e horário agendado, por favor, comunique.

Para o melhor aproveitamento de todos os pesquisadores, não será permitido na sala: uso de celular, notebook, caderno ou similares, consumo de bebidas ou alimentos. Ao lado da sala há um armário destinado para a guarda dos pertences.


Outros acervos

Mais IMS