Idioma EN
Contraste

Bolsa IMS de Pesquisa em Fotografia

Buscando estimular o estudo da fotografia no Brasil, o IMS promove um programa que concede, a cada edição, uma bolsa de pesquisa no valor total de R$ 30 mil para a realização de um projeto inédito sobre um eixo temático proposto pelo instituto.

Ao término do projeto, cuja duração máxima é de um ano, o pesquisador deverá apresentar um relatório final, um artigo de conclusão do trabalho e uma palestra aberta ao público sobre os resultados alcançados. Para concorrer, é necessário ter o título de mestre e, caso o candidato seja estrangeiro, residir no Brasil há um ano, no mínimo.

Edição 2020

Modos de ver, de figurar, de imaginar. Diálogos entre fotografia e cultura imaterial.
Maureen Bisilliat e Marcel Gautherot

Inscrições: 1 de outubro a 22 de novembro de 2020
Resultados: dezembro de 2020

Novidades edição 2020

Nas duas primeiras edições, era exigida a pesquisa presencial aos acervos, o que restringia a proveniência dos pesquisadores.

Devido às restrições impostas pela epidemia de Covid-19, e sobretudo buscando tornar mais acessível a pesquisadores de todo o Brasil, o trabalho de pesquisa poderá ser desenvolvido de forma remota.
Se o bolsista selecionado não for residente na cidade do Rio de Janeiro, o Instituto Moreira Salles custeará passagem, estadia e per diem para alimentação e transporte local para um período de 10 (dez) dias corridos.


Eixo temático

A Bolsa IMS de pesquisa em Fotografia em sua edição 2020 promove uma investigação crítica sobre os diálogos entre fotografia e manifestações culturais populares e de origem indígena e afro-brasileira, a partir das coleções dos fotógrafos Maureen Bisilliat e Marcel Gautherot, sob a guarda do IMS.

Como ponto de partida sugerimos indagar quais foram as representações que a fotografia elaborou das expressões populares, na obra dos dois autores citados, e, por sua vez, investigar de que maneira a natureza dinâmica, coletiva e plural dessas manifestações permearam a forma da fotografia ver e construir suas imagens.

A terceira edição da Bolsa IMS de Pesquisa em Fotografia busca estimular uma reflexão sobre as trocas possíveis entre a fotografia e a cultura imaterial, duas formas de moldar olhares, de construir identidades, de materializar as diferenças, totalmente distintas, mas igualmente poderosas.

Motivação para a escolha do eixo temático

O Brasil e o mundo estão vivendo uma época particularmente crítica. Internamente, os ataques e ameaças à liberdade de expressão, às populações vulneráveis, em especial às indígenas e de origem africana, às instituições de guarda e de memória, a reconhecidos agentes da arte e da cultura, parecem fazer parte de uma política oficial que, por método e por prazer, busca a devastação cultural do país. Aqui, e no resto do mundo, a epidemia de Covid 19, há meses instalada, mostrou seu enorme poder de destruição.

A evidente condição de vulnerabilidade em que se encontram hoje em nosso país os grupos étnicos, sociais e culturais historicamente excluídos nos obriga a buscar estratégias que contribuam para o fortalecimento de todas as suas formas de expressão cultural e da salvaguarda de sua memória.

Curiosamente, as manifestações culturais imateriais populares, sempre ligadas à vida de seu povo, nesta época de pandemia tornaram-se paradoxalmente ameaças em potencial. As festividades, os folguedos, as procissões, algumas em atividade ininterrupta há mais de 200 anos, tiveram de ser canceladas ou adiadas pois causam aglomerações, ocupam o espaço público ora proibido.

A morte de mais de oitocentos indígenas por Covid-19, entre os quais diversos anciões e lideranças fundamentais, como os caciques Aritana Yawalapiti, do Alto Xingu, Amâncio Munduruku e Paulinho Payakan, dos Kayapó, guardiões por excelência da história de suas tribos e territórios, deixou ainda mais patente a fragilidade em que se encontram nossos povos ancestrais e seu legado cultural.


Sobre Maureen Bisilliat

A fotógrafa Maureen Bisilliat. Foto de Laura Liuzzi

A inglesa Maureen Bisilliat, nascida em Englefield, Surrey, construiu desde os anos 1950, quando se mudou para o Brasil, um dos mais sólidos trabalhos de investigação fotográfica da alma brasileira, aliando a seu olhar de estrangeira um respeito profundo por seus temas – sobretudo sertanejos e índios – e a busca de apoio conceitual na antropologia e em grandes obras da literatura nacional. Desde dezembro de 2003, sua obra completa está incorporada ao acervo do Instituto Moreira Salles, num total de 16.251 imagens, entre fotografias, negativos em preto e branco e cromos coloridos.


Sobre Marcel Gautherot

O fotógrafo está inclinado para frente, segurando uma câmera e olhando através do visor do equipamento

Nascido em Paris em 1910 e radicado no Rio de Janeiro desde fins de 1940, Gautherot dedicou seu olhar – no qual a sobriedade documental, marca de sua geração, fundia-se ao apurado senso estético de quem se formara como arquiteto de interiores na École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs – a motivos tão variados quanto folclore, arquitetura, natureza e paisagem humana, em diversas regiões do Brasil.


Objetivos da Bolsa

a) Contribuir para a capacitação de pesquisadores que desejem investigar a história da fotografia no Brasil;

b) Fomentar pesquisas que contribuam para promover e disseminar o conhecimento sobre autores, obras, conjuntos, coleções de natureza fotográfica e arquivos documentais sobre a fotografia, sob a guarda do Instituto Moreira Salles e de outras bibliotecas, coleções, instituições arquivísticas e museológicas brasileiras;

c) Estimular a realização de estudos críticos sobre o lugar da fotografia na formação de representações históricas, sociais e culturais no Brasil.


Edições anteriores

2019

Bolsista Alessandra Vannucci
Trabalho em andamento

2018

Bolsista Samuel Leal Barquete
Trabalho finalizado