Idioma EN
Contraste

16.10.20

Lançado pelo Instituto Moreira Salles em abril de 2020 como resposta aos danos causados na produção das artes pela pandemia, o Programa Convida disponibilizou R$ 1.000.000,00 em suas duas primeiras fases para comissionar 125 projetos de artistas e de coletivos, apresentados no site e nas redes sociais do IMS. A terceira etapa do programa tem início agora, com a participação de mais 47 criadores.

Os artistas convidados, muitos deles atuantes em regiões de periferia, mais uma vez se enquadram em uma pauta de critérios que levam em conta, além da situação extrema de vulnerabilidade, a diversidade de identidades presentes no Brasil – de raça, gênero, regionalidade, contexto social e cultural.

A reabertura limitada dos espaços culturais torna ainda pequenas as possibilidades de encontro e fruição conjunta de obras de arte ou de eventos artísticos em contato com seus possíveis públicos. Nesse contexto, o programa, concebido no início do período de confinamento, segue em frente mesmo diante da flexibilização do isolamento social.

Como nas duas etapas anteriores, R$ 500 mil serão disponibilizados para a produção dos novos projetos individuais e coletivos, que se juntarão aos 125 da primeira e da segunda etapas.

Os projetos têm afinidades com as áreas de programação e acervos do IMS (fotografia, cinema, música, literatura, artes visuais e desenho gráfico), mas não seguem formatos fixos ou rígidos. Solicita-se aos criadores apenas que respeitem todas as medidas de proteção sanitária adotadas pelas organizações de saúde nos territórios onde vivem e trabalham.

A interrogação do mundo em que vivemos, assim como das possibilidades do mundo em que queremos viver, as evidências da violência e do racismo, da exclusão social, das alterações do clima e dos ataques ao meio ambiente, os desafios da democracia na atualidade perante os ataques a que é submetida, as questões da sobrevivência e da resistência, dos direitos civis, a urgência da solidariedade e de novas possibilidades de ação política, as questões da produção artística entre os ambientes virtual e presencial e o papel da arte neste tempo em que vivemos são algumas das pautas que gostaríamos de ver abordadas. A elas, se juntarão todas as questões e os diferentes modos de fazer que os artistas manifestem em seus trabalhos.

O Programa Convida se encaixa no projeto #IMSquarentena, no ar desde 3 de abril, com ensaios do acervo, trabalhos inéditos, podcasts e indicações de textos sobre a atual conjuntura. Todos os trabalhos estão disponíveis neste site e são divulgados nas redes sociais (Instagram, YouTube, Twitter e Facebook) do Instit. Desse modo, mesmo com seus centros culturais de São Paulo, Rio de Janeiro e Poços de Caldas fechados por vários meses e com suas equipes trabalhando de casa, o IMS buscou trazer interpretações particulares de uma grande diversidade de criadores.

O IMS Rio reabriu para o público no dia 15 de setembro, o IMS Poços, em 22 de setembro, e o IMS Paulista, em 13 de outubro.

O Instituto Moreira Salles é uma instituição cultural sem fins lucrativos e todas as suas atividades são sustentadas por uma dotação, constituída inicialmente pelo Unibanco e ampliada posteriormente pela família Moreira Salles.

Até este momento, os seguintes artistas e coletivos aceitaram o convite do IMS para participar nesta terceira fase do programa Convida:

Ajeum da Diáspora (BA)
Allan da Rosa (SP)
Audino Vilão (SP)
Cadernos Negros - Quilombhoje (SP)
Cartografia Negra (SP)
Cila do Coco (PE)
Clara Moreira (PE)
Coletivo Movimento dos Artistas Huni Kuin (AC)
Comunidade Cultural Quilombaque (SP)
Darks Miranda (RJ)
Diego Gerlach (RS)
Edbrass Brasil (BA)
Eder Oliveira (PA)
Everlane Moraes (BA)
Fluxo Marginal (CE)
Gabriela Güllich (PB)
Gê Viana (MA)
Homenagem Valda Nogueira (RJ)
Januário Garcia (RJ)
Jarid Arraes (CE)
João Silvério Trevisan (SP)
José Falero (RS)
Juliana Antunes (MG)
Juliana Perdigão (MG/SP)

Kaê Guajajara (MA/RJ)
Labo Young (PA)
Luizinho 7 Cordas (SP)
Luli Penna (SP)
Lyz Parayzo (RJ)
Maria Augusta Ramos (Holanda)
Marilene Felinto (PE)
No Martins (SP)
Rebeca Carapiá (BA)
Revista O Menelick 2º Ato (SP)
Rimadores do Vagão (SP/RJ)
Rodrigo Aragão (ES)
Tamikuã Txihi do Povo Pataxó (SP)
Teatro Espanca (MG)
Tijolin (RJ)
TRANSÄLIEN (PE/SP)
Umoja (SP)
Uýra Sodoma (BA)
Vídeo nas Aldeias (PE/vários estados)
Wisrah Villefort (SP)
Xadalu (RS)
Yacunã Tuxá (BA)
Yane Mendes (PE)


20.7.20

Preocupado com a situação de grande vulnerabilidade, causada pela propagação da covid-19, que continua afetando grande parte da sociedade brasileira e com a maneira como a produção das artes tem sido impactada, o Instituto Moreira Salles decidiu lançar a segunda etapa do Programa Convida – um programa de solidariedade com a criação artística, concebido para vigorar durante o período ainda imprevisível da quarentena.

Assim como aconteceu na primeira etapa, mais R$ 500 mil reais serão disponibilizados para a produção de projetos individuais e coletivos comissionados pelo IMS que se juntarão àqueles que foram resultantes da primeira etapa do programa, disponíveis para o público no site e redes sociais da instituição.

Cerca de 60 criadores, muitos deles atuantes em regiões de periferia, de grande vulnerabilidade, nas áreas de programação e acervos do IMS (fotografia, cinema, música, literatura, artes visuais e desenho gráfico) serão contemplados. Os convites manifestam novamente uma pauta de critérios que levam em conta a diversidade de identidades presentes no Brasil – de raça, gênero, regionalidade, contexto social e cultural.

Os projetos não seguem formatos fixos ou rígidos. Solicita-se apenas aos criadores que respeitem todas as medidas de proteção sanitária adotadas pelas organizações de saúde nos territórios onde vivem e trabalham.

A interrogação do presente e do futuro imediato nesses tempos de pandemia, o questionamento do que alguns chamam de “regresso a um novo normal”, a evidência do sofrimento, da injustiça, da desigualdade e da exclusão no Brasil e no mundo, as evidências do racismo estrutural, os desafios da democracia na atualidade, a urgência da solidariedade e de novas possibilidades de ação política, as questões da produção artística num ambiente virtual e o papel da arte nesse tempo em que vivemos serão algumas das pautas sobre as quais pretendemos conversar com xs artistas convidadxs. A elas se juntarão todas as questões e os diferentes modos de fazer que manifestem nos seus trabalhos.

Na primeira etapa, foram comissionados cerca de 60 artistas e coletivos que produziram obras inéditas, publicadas e disponíveis no site do IMS e nas redes sociais da instituição.

O programa Convida se encaixa no projeto #IMSquarentena, que apresenta ensaios do acervo, trabalhos inéditos, podcasts e indicações de leitura sobre a atual conjuntura. Todo material está disponível no site institucional e nas redes sociais (facebook, twitter e instagram) do Instituto Moreira Salles. Desse modo, mesmo com seus centros culturais (São Paulo, Rio de Janeiro e Poços de Caldas) ainda fechados e suas equipes trabalhando em casa, o IMS busca trazer interpretações muito particulares de uma grande diversidade de criadores.

O Instituto Moreira Salles é uma instituição cultural sem fins lucrativos e todas as suas atividades são sustentadas por uma dotação, constituída inicialmente pelo Unibanco e ampliada posteriormente pela família Moreira Salles.

Os seguintes artistas e coletivos aceitaram o convite do IMS para participar nesta segunda fase do Programa Convida:

Amanda Falcão (SP)
Ana Vaz (DF)
Anitta Boa Vida (RJ)
Arjan Martins (RJ)
ASCURI (MS)
Associação Respeita Januário (PE)
Bené Fonteles (MG)
biarritzzz (PE)
Big Jaum (RJ)
Bruno Baptistelli (SP)
Coletivo Afrobapho (BA)
Coletivo Frente 3 de Fevereiro (SP)
Coletivo Fulni-ô de Cinema (PE)
Cristina Amaral (SP)
Dayane Tropicaos (MG)
Deusa Poetisa (SP)
Diego Grando (RS)
Djuena Tikuna (AM)
Edimilson de Almeida Pereira (MG)
Fanka Santos (CE)
Gabriel Martins (MG)
Geovana (SP)
Graça Graúna (RN)
Grupo Contrafilé (SP)
Halder Gomes (CE)
Hudson Rodrigues (SP)
Igi Ayedun e Gabriel Massan (SP/Berlim)
Ísis Medeiros (MG)
Joel Zito Araújo (RJ)
Jorge Furtado (RS)
Jota Mombaça (RN)
Julia Katharine (SP)

Katu Mirim (SP)
Kely Pinheiro (Boston)
Kerolayne Kemblin (AM)
Kunumí Mc (SP)
Laís Myrrha (SP)
Leonardo Fróes (RJ)
Luis Lucena (SP)
Luisa Macedo (MG)
Maíra Oliveira (RJ)
Manaíra Carneiro (RJ)
Mão na Lata (RJ)
Marcela Borela (GO)
Marcela Cantuária (RJ)
Marília Marz (SP)
Mate com Angu (RJ)
Mc Dellacroix (SP)
Negro Leo (MA)
Nice do Cavalo Marinho (PE)
Panteras Negras (BA)
Priscila Rezende (MG)
Rafael RG e Felipe Jawa (MG)
Roda de samba do Bip Bip (RJ)
Safira Moreira (BA)
Saskia (RS)
Tiago Sant’Ana (BA)
Tila Chitunda (Suíça)
Ton Bezerra (MA)
Ulisses Arthur (AL)
Vulcanica Pokaropa (SP)
Walter Rego (SP)
Zumvi Arquivo Fotográfico (BA)


15.4.20

O Instituto Moreira Salles, diante da situação de vulnerabilidade causada pela pandemia da covid-19 na sociedade brasileira, e particularmente na produção das artes, decidiu lançar um programa de incentivo à criação artística concebido para vigorar durante o período ainda imprevisível da quarentena.

Inicialmente, nesta primeira etapa, serão R$ 500 mil, destinados a duas ações. A primeira é formada por projetos individuais comissionados pelo IMS, que ficarão disponíveis para o público no site e nas redes sociais da instituição como IMS Quarentena - Programa Convida. Serão contemplados cerca de 50 criadores, nas áreas de atuação do Instituto: fotografia, cinema, música, literatura, artes visuais e desenho gráfico. Foram convidados segundo critérios que levam em conta a diversidade de identidades presentes no Brasil – de raça, gênero, regionalidade, contexto social e cultural. Os projetos não seguem formatos fixos ou rígidos, tendo sido apenas solicitado que não implicassem em deslocamentos físicos ou outras formas de quebra às medidas de isolamento social.

Ao mesmo tempo, ainda nessa primeira etapa do programa, o IMS convidou grupos coletivos de produção artística e ação social com os quais já mantém uma relação de parceria e que atuam em regiões de periferia, de grande vulnerabilidade, para que construam e desenvolvam projetos em seus campos de atuação.

As duas novas iniciativas encaixam-se no projeto #IMSquarentena, que está no ar em quarentena.ims.com.br desde a sexta-feira, 3 de abril, com ensaios do acervo, trabalhos inéditos, podcasts e indicações de leitura sobre a atual conjuntura. O material preparado especialmente pelas equipes das revistas serrote e ZUM está disponível no site institucional (ims.com.br) e nas redes sociais (instagram, facebook e twitter) do Instituto Moreira Salles.

Desse modo, mesmo com seus centros culturais (São Paulo, Rio de Janeiro e Poços de Caldas) fechados há um mês e suas equipes trabalhando em casa, o IMS busca levar ao público interpretações muito particulares de uma grande diversidade de criadores.

O Instituto Moreira Salles é uma instituição cultural sem fins lucrativos e todas as suas atividades são sustentadas por uma dotação, constituída inicialmente pelo Unibanco e ampliada posteriormente pela família Moreira Salles.

Até este momento, os seguintes artistas e coletivos aceitaram o convite do IMS:

Ação Educativa (SP)
Agência de Redes para Juventude (RJ)
Aleta Valente (RJ)
Allan Sieber (RJ)
Ana Paula Maia (PR)
Ana Pi (PARIS)
Angeli (SP)
Brisa Flow (SP)
Brô MC’s (MS)
Castiel Vitorino Brasileiro (SP)
Cidinha da Silva (MG)
Coquevídeo (PE)
Davi de Jesus do Nascimento (MG)
Débora Bolsoni (SP)
Denilson Baniwa (RJ)
Desali (MG)
Edgar (SP)
Edimilson Ferreira e Antonio Lisboa (PE)
Família Ernest Dias (DF/RJ/MG/Toulouse)
Feira Preta (SP)
Geovani Martins (RJ)
Giselle Beiguelman (SP)
Grace Passô (MG)
Grupo EmpreZa (GO/DF/SP/RJ)
Guerreiro do Divino Amor (RJ)
Gustavo Caboco PR/RR)
Helena Ignez (SP)
Ilê Sartuzi (SP)
Ilessi (RJ)
Imagens do Povo (RJ)
Itamar Vieira Junior (BA)
Jaider Esbell (RR)

João Pinheiro (SP)
Karim Aïnouz (Berlim)
Leona Vingativa (PA)
Limitrofe Television (RS/SP)
Linoca Souza (SP)
Lorran Dias (RJ)
Marcelo Rocha (SP)
Michele Kaiowá (MS), Graciela Guarani (PE), Patrícia Ferreira Pará Yxapy (RS) e Sophia Pinheiro (GO)
Mídia Ninja (Brasil)
Miguel Chikaoka (PA)
Milena Manfredini (RJ)
Mulambö (RJ)
Musa Michelle Mattiuzzi (SP)
Nelson da Rabeca e Dona Benedita (AL)
Panmela Castro (RJ)
Paulo Scott (MG)
Projeto Retratistas do Morro (MG)
Radio Diaspora (SP)
Redes da Maré/Escola Livre de Dança da Maré (RJ)
Rocinha Resiste (RJ)
Roger Cipó (SP)
Rosa Luz (SP)
Sallisa Rosa (GO), Renata Tupinambá (RJ), Davi Marworno (AP) e Edgar Xakriabá (MG)
Slam das Minas (RJ)
Takumã Kuikuro (MT)
Thelmo Cristovam (PE)
Ventura Profana (BA)
Verónica Valenttino (SP)
Vinícius Silva (SP)
Yasmin Thayná (RJ)

A · B · C · D · E · F · G · H · I · J · K · L · M · N · O · P · Q · R · S · T · U · V · W · X · Y · Z