Carolina de Jesus

Literatura, mercado, gênero e raça

Conversa

Com Ayana Moreira, Sergio Barcellos e Osmar Filho

Quando

21 de março de 2019, quinta, às 19h

Entrada gratuita

Mais informações em Como participar

IMS Rio

Sala de aula
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ

Para celebrar o aniversário de Carolina Maria de Jesus, que completaria 105 anos dia 14 de março de 2019, o IMS Rio promove um debate sobre a produção da escritora, que retratou a condição da mulher negra nas periferias do país. A conversa conta com a presença de Ayana Dias, pesquisadora da obra de Carolina, de Sergio da Silva Barcellos, doutor em literatura pela PUC-Rio, e do professor Osmar Filho, coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas do Colégio Pedro II. 

Durante a conversa, os participantes retomarão aspectos da vida e obra da autora, trazendo à tona discussões atuais da sociedade brasileira sobre temas como raça e gênero. Mulher, negra e mãe solteira, Carolina de Jesus trabalhou como catadora de lixo para sustentar sua família, escrevendo nas horas vagas. Em 1960, tornou-se conhecida após a publicação do livro Quarto de despejo: diário de uma favelada. Com o sucesso da estreia, passou a frequentar os altos círculos sociais da cidade e ganhou algum dinheiro. A partir do segundo livro, Casa de alvenaria, voltou, contudo, ao ostracismo.

Ao longo do debate, serão abordadas as dificuldades encontradas pela escritora para publicar sua obra, em diálogo com os atuais desafios enfrentados pelos artistas. “Carolina estava à margem do meio literário, constituído em sua maioria por homens, brancos, graduados e de classes altas. Ela, no entanto, nunca se mostrou resignada com sua situação e quis ser reconhecida escritora”, afirma Bruno Cosentino, da coordenadoria de literatura do IMS.  

Nascida na cidade de Sacramento (MG), Carolina viveu boa parte de sua vida na favela do Canindé, na zona norte de São Paulo, onde sustentou sozinha os seus três filhos, trabalhando como catadora de lixo. Após o lançamento de Quarto de despejo: diário de uma favelada, a obra teve mais três edições, com um total de 100 mil exemplares vendidos e tradução para 15 idiomas. Publicou ainda o romance Pedaços de fome e o livro Provérbios, ambos em 1963.

Parte do acervo de Carolina de Jesus está sob a guarda do Instituto Moreira Salles desde 2006, sendo formado por dois cadernos manuscritos – Um Brasil para os brasileiros: contos e poemas, e outra coletânea do mesmo gênero, sem título.

 

A escritora Carolina Maria de Jesus. Acervo IMS

Sobre os participantes

Ayana Dias é professora, atriz, dramaturga e poeta com formação em Letras Português/Francês pela UERJ, pós-graduação em Literaturas Portuguesa e Africanas pela UFRJ. Atualmente desenvolve a pesquisa sobre a produção escrita ficcional de  Carolina Maria de Jesus no Mestrado Acadêmico em Literatura Brasileira pela UFF.
 
Sergio da Silva Barcellos é pesquisador independente, mestre e doutor em Estudos de Literatura pela PUC-Rio. Além de diversos artigos acadêmicos, também publicou, entre outros livros, Vida por Escrito - Guia do Acervo de Carolina Maria de Jesus, e Escrita do eu, refúgio do outro: identidade e alteridade na escrita diarística. É membro fundador da International Auto/Biography Association – Chapter of The Americas.    
 
Osmar Filho é professor doutor e docente de português e literaturas de língua portuguesa do Ensino Básico,Técnico e Tecnológico no Colégio Pedro II, onde também coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas, o Grupo de Pesquisa e Ações sobre Racismo, Relações Étnico-raciais e Indígenas (GEPARREI), e o curso de especialização em Educação das Relações Étnico-Raciais na Educação Básica.


Como participar

Entrada gratuita. Lugares limitados.

Distribuição de senhas 30 minutos antes.

 


Conteúdo relacionado