Fotografia pública

Roteiros visuais para a história contemporânea

Curso

Com Ana Maria Mauad
Parte da série Histórias da fotografia

Quando

7, 14, 21 e 28 de agosto de 2019, quartas, das 19h às 21h (4 encontros)

Ingressos

Vendas pelo Eventbrite. Mais informações em Como participar

IMS Rio

Sala de aula
Rua Marquês de São Vicente, 476
Gávea - Rio de Janeiro/RJ

Ao longo dos séculos XIX e XX a prática fotográfica definiu novos roteiros visuais para a história contemporânea, evidenciando que existem experiências históricas que se tornam conhecidas somente porque foram fotografadas. A fotografia não somente tornou-se o registro imediato e replicável do mundo visível, mas o agente da produção da visibilidade do mundo social e de sua memória.

Populares sobre cobertura do palácio do Congresso Nacional no dia da inauguração de Brasília, 1960. Fotografia de Thomas Farkas / Acervo IMS

Como participar

Quando
7, 14, 21 e 28 de agosto de 2019, quartas, das 19h às 21h

R$200, pelos 4 encontros
Estudantes, professores e maiores de 60 anos têm 50% de desconto em todos os cursos


Sobre Ana Maria Mauad

É professora titular do Departamento de História e pesquisadora do Laboratório de História Oral e Imagem da Universidade Federal Fluminense. Pesquisadora do CNPq desde 1996 e Cientista do Nosso Estado FAPERJ desde 2013. No ano de 2018 foi Celso Furtado Visiting Fellow no St. John’s College, Cambridge University. Suas pesquisas voltam-se para temas relacionados à História Visual, História Oral, História da Memória e História Pública. Autora de inúmeros artigos, capítulos de livros e livros, entre suas principais obras destacam-se: Poses e Flagrantes: ensaios sobre história e fotografias (Eduff, 2008); Fotografía e Historia (coordenação com John Mraz, CdF, Montevideo, 2015); Fotograficamente Rio: a cidade e seus temas (LABHOI/FAPERJ, 2015); Uma história visual da Guanabara (com Marly Motta e Paulo Knauss, Edições Janeiro, 2015); História Pública no Brasil: Sentidos e Itinerários (coordenação com Juniele Almeida e Ricardo Santhiago, Letra&Voz, 2015); Que História Publica queremos/What Public History do we want? (coordenação com Ricardo Santhiago e Viviane Borges, Letra&Voz, 2018).


Programa

O curso se volta para os diferentes usos, funções e circuitos da fotografia pública em perspectiva transnacional.

1) Fotografia pública e poder: fotografia de governo, arquivo e documentação fotográfica
2) Fotografia pública e a imprensa ilustrada: fotografia e a consolidação da noção de acontecimento moderno
3) Fotografia pública e o fotojornalismo engajado: prática fotográfica comprometida com causas sociais
4) Fotografia pública e os mundos da arte: formas de apropriação da fotografia pela prática artística


A série Histórias da Fotografia

Como alternativa a uma história da arte única e cronológica, é possível olhar para o passado a partir de múltiplas vozes e narrativas. É essa perspectiva que guia a série Histórias da Fotografia, que apresenta histórias variadas a partir de temas que atravessam a produção fotográfica: a arte, a imprensa, as exposições, os livros, a moda e a fotografia amadora.