Marc Ferrez e o eclipse de Sobral

Roda de conversa

Com Christina Helena Barboza, Rodrigo Nemmen, Rogério Rosenfeld. Mediação de Nathan Berkovits e Sergio Burgi. Parte de Ciência em Diálogo: Física e Arte

Quando

25 de maio, sábado, das 11h às 12h30

Entrada gratuita

Lugares limitados. Mais informações em Como participar

IMS Paulista

Cineteatro
Avenida Paulista, 2424
São Paulo/SP

Marc Ferrez colaborou com diversos cientistas e pesquisadores no Brasil do século XIX e início do século XX, entre eles os diretores do Observatório Nacional no Rio de Janeiro, Luis Cruls e Henrique Morize. Em 1912 Ferrez participou presencialmente em Passa Quatro, em Minas Gerais, e em 1919 acompanhou à distância em Sobral, no Ceará, os trabalhos de registro fotográfico de eclipses totais do Sol realizados por astrônomos brasileiros, liderados por Morize, e cientistas de outros países. Foram os resultados obtidos através das bem-sucedidas fotografias feitas por astrônomos ingleses em Sobral, em 29 de maio de 1919, que permitiram a comprovação da Teoria da Relatividade de Albert Einstein, inaugurando um novo momento na história da ciência e da própria humanidade.

Neste ano em que se comemoram os cem anos daquele eclipse, um novo esforço internacional colaborativo entre vários observatórios e cientistas levou à primeira imagem a ser registrada de um buraco negro. A tarefa foi possível graças ao desenvolvimento da mecânica quântica e saberes associados baseados na Teoria da Relatividade, que permitiram a detecção e visualização por meios físicos e digitais deste evento astrofísico situado a mais de 50 milhões de anos-luz da Terra.

O painel Ciência em Diálogo: especial Marc Ferrez e o eclipse de Sobral discutirá este amplo arco de conhecimentos que une fotografia e ciência ao longo dos últimos 180 anos.


Sobre os participantes

Christina Helena Barboza é pesquisadora no Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, e docente na UNIRIO. Suas pesquisas concentram-se na história do Observatório Nacional, abrangendo suas diferentes práticas científicas. Foi presidente da Sociedade Brasileira de História da Ciência de 2016 a 2018.

Rodrigo Nemmen é físico, professor do IAG-USP e membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências. Tem pesquisa nas áreas de astrofísica e buracos negros.

Rogerio Rosenfeld é físico, vice-diretor do ICTP-SAIFR, professor do IFT-Unesp e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Física. Desenvolve pesquisas nas áreas de cosmologia e física das partículas e é autor de O cerne da matéria: a aventura científica que levou à descoberta do bóson de Higgs.

Nathan Berkovits é físico, diretor do ICTP-SAIFR, professor do IFT-Unesp e membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia Mundial de Ciências. Desenvolve pesquisa na área de supercordas.

Sergio Burgi foi coordenador do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da FUNARTE entre 1984 e 1991. Desde 1999 coordena a área de fotografia do Instituto Moreira Salles, principal instituição voltada para a guarda e preservação de acervos fotográficos no Brasil. Curador da exposição Marc Ferrez: Território e Imagem, em cartaz no IMS Paulista.


Vídeo


Como participar

Quando
25 de maio, sábado, das 11h às 12h30

Atividade gratuita. 
145 lugares

Distribuição de senhas 60 minutos antes. Limite de 1 senha por pessoa.


A série Ciência em Diálogo: Física e Arte

Em parceria com o South American Institute for Fundamental Research do International Centre for Theoretical Physics (ICTP-SAIFR), abrigado no Instituto de Física Teórica da Unesp, esta atividade une um físico e um artista, crítico ou pesquisador de artes para dialogar sobre temas comuns a ambas as áreas, sob diferentes abordagens. Mediação de Rogerio Rosenfeld.


Exposição relacionada