Por Dentro dos Acervos Veja Mais +

As mil faces de Burle Marx

12 de maio de 2016

Muito além dos jardins, uma exposição em Nova York de pinturas, esculturas, maquetes, vasos, vitrais, tapeçarias, quadros e joias com a assinatura de Roberto Burle Marx apresenta um raro conjunto de 140 peças reveladoras da obra multifacetada do paisagista. Inaugurada no início de maio no Jewish Museum – o museu judaico da esquina da Quinta Avenida com a Rua 92, em frente ao Central Park –, a mostra Roberto Burle Marx, Brazilian modernist (em cartaz até 18 de setembro) passará ainda pela Galeria de Arte do Deutsche Bank, em Berlim, antes de desembarcar em novembro de 2017 no MAR (Museu de Arte do Rio), vizinho do Museu do Amanhã, na Praça Mauá, ponto final do circuito internacional projetado para a exposição até março de 2018.

Também muito além do jardim da sede carioca do Instituto Moreira Salles – onde seu talento se faz notar especialmente no imenso painel de azulejos por ele criado em 1949 e restaurado em 2012 –, Burle Marx tem presença destacada em diversos acervos preservados pela Reserva Técnica Fotográfica do IMS. Sua figura marcante no cenário artístico brasileiro em meados do século XX é carimbada no conjunto da obra de cinco fotógrafos com trabalhos sob a guarda do Instituto: Alice Brill, Chico Albuquerque, José Medeiros, Carlos Moskovics e, sobretudo, Marcel Gautherot registraram as muitas faces de Burle Marx nos anos 1950/60. Dois destes retratos do paisagista, ambos feitos por Gautherot, fazem parte da exposição em Nova York.

O fotógrafo francês acompanhou o paisagista por mais de uma década. É farto o material de Gautherot documentando os trabalhos do paisagista dentro e fora do seu habitat, o Sítio Burle Marx, hoje vinculado ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que emprestou 58 obras de seu acervo para a exposição recém-inaugurada em NY. Entre os momentos sublimes que Roberto Burle Marx dividiu com Gautherot em seu santuário de conservação da natureza, um em especial se destacou pelo flagrante poético: difícil até focar as bromélias com o paisagista em quadro conduzindo Pablo Neruda e Vinicius de Moraes em meio às folhagens. Covardia!

Este ensaio homenageia mais o criador que sua criação.

 

Com Pablo Neruda e Vinicius de Moraes. Sítio Burle Marx, na ocasião da visita do poeta chileno, 1968. Barra de Guaratiba, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fotografia de Marcel Gautherot / acervo IMS

 

São Paulo, SP, Brasil, 1952. Fotografia de Chico Albuquerque / acervo IMS

 

Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1961. Fotografia de Marcel Gautherot / acervo IMS. A foto integra a exposição no Jewish Museum, em Nova York

 

Burle Marx em frente a painel de sua autoria, executado pelo ateliê Osirarte, 1949. Fotografia de Alice Brill / acervo IMS

 

Barra de Guaratiba, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, c. 1957. Fotografia de Marcel Gautherot / acervo IMS

 

Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fotografia de Carlos Moskovics / acervo IMS

 

Sítio Burle Marx, decoração para festa junina, c. 1957. Barra de Guaratiba, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fotografia de Marcel Gautherot / acervo IMS. A foto integra a exposição no Jewish Museum, em Nova York

 

Fotografia de José Medeiros / acervo IMS

 

Mais

Restauração do painel de Burle Marx no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro
Acervo de Marcel Gautherot no IMS
Acervo de Carlos Moskovics no IMS
Acervo de José Medeiros no IMS
Acervo de Chico Albuquerque no IMS
Acervo de Alice Brill no IMS

 

 

 

Sobre os acervos

Mais IMS