Idioma EN
Contraste

Convocatória de Fotolivros Festival ZUM 2023

Mostra

Entrada gratuita

25/11/2023 a 25/2/2024

IMS Paulista

Biblioteca - 1º andar
Avenida Paulista, 2424
São Paulo/SP

Horário

Terça a domingo e feriados das 10h às 20h (fechado às segundas).

Exposição dos livros selecionados na sexta convocatória realizada pela revista ZUM e pela Biblioteca de Fotografia do IMS, no contexto do Festival ZUM 2023. Do total de 216 títulos enviados, todos publicados nos anos de 2022 e 2023, foram selecionados para exposição 45 fotolivros, zines, catálogos e livros de fotografia de todas as regiões do Brasil, além de países da América Latina e da Europa, que receberam R$ 300 como ajuda de custo. Desta seleção, 3 foram premiados e receberam o valor de R$ 2 mil: Nuestros códigos, do Archivo de la Memoria Trans Argentina, O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã, de Erick Peres, e Filhas do apocalipse, de Serpyente Coletiva. Segundo o júri, “os três premiados exploram o fotolivro com profundidade, seja como arquivo e instrumento de reparação, seja revelando uma questão social por meio de uma narrativa pessoal, seja inscrevendo a performance do corpo na liberdade oferecida pelo objeto”.

Contato
(11) 2842-9120
[email protected]
Imprensa
[email protected]

Visitação

Entrada gratuita

25/11/2023 a 25/2/2024
Terça a domingo e feriados das 10h às 20h (fechado às segundas).

IMS Paulista

Biblioteca de fotografia - 1º andar
Avenida Paulista, 2424
São Paulo/SP


Premiados

Nuestros códigos, do Archivo de la Memoria Trans Argentina (Editorial Archivo de la Memoria Trans)

O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã, de Erick Peres (Lovely House & Selo Turvo)

Filhas do apocalipse, de Serpyente Coletiva (Há Boatos)


Selecionados

A noite trouxe a manhã, de Mariana Tassinari (Fotô Editorial)

Al final del valle rocoso, de Rodrigo Agüero (Lactómeda Ediciones)

Appartenance, de Ana Mendes e Edgar Kanaykõ (Iandé)

As meninas, de Ana Cris Loureiro (quaseditora)

Batalha da arte, de Vinícius Toledo (impresso em parceria com Senac)

Carne para los leones, de Rocio Celis Gómez (Infinito Blanco ediciones)

Casulo, de Breno Rotatori (Autopublicado)

Celebração do ordinário, de Sophia Lapertosa (Autopublicado)

Cosmopolíticas, Publicação Coletiva (Tempo d’Imagem & Fotoempauta)

Fake memoirs, de Pedro Magalhães (Autopublicado)

Filhas do apocalipse, Serpyente coletiva (Há Boatos)

Fotografias deserdadas, de Rubens Fernandes Junior (Tempo d’Imagem)

Geografias corporais, de Ana Gilbert e Paulo Kellerman (Alter Edições)

Home street home, de Ana Paula Albé (Piscina Pública Edições)

I know I exist because you imagine me, de Gui Marcondes (Nearest Truth Editions)

Jogo de paciência, de Ana Sabiá (Lovely House & Tempo d’Imagem)

Kepler–186F, de Marcel Fernandes (Olhavê)

Le soleil, de Ilse Cardoen e Mirelle van Tulder (Roots to Fruits)

Líquido digital super crystal, de Júnior Yuki Morimoto (Autopublicado)

Mänk’áčen, de Sergio Valenzuela Escobedo (Palais Book)

Menor de quebrada, de Rafael Felix (Porto de Cultura)

Mukunã, de Juh Almeida (Porto de Cultura)

Mundanidades, de Romeu Silveira (zero-Edições)

No sé si hay otro lado del fuego, Colectiva (Infinito Blanco ediciones)

Notas de un fotógrafo, de José Ruiz y Arturo Salazar (ediciónesréplica)

Nuestros códigos, Archivo de la Memoria Trans (Editorial Archivo de la Memoria Trans)

O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã, de Erick Peres (Lovely House & Selo Turvo)

O menino me dá a mão, de João Medeiros (Sô Edições)

Of all the statues that I found only one could say I love you, de Felipe Abreu (Autopublicado)

Óris, de Bárbara Lissa e Maria Vaz (Selo Turvo)

Patria, de Oleñka Carrasco (The Eyes Publishing)

Photography firmly enters the everyday, de Anna Pylypyuk e Volodymyr Shypotilnykov (Autopublicado)

queda livre e um segredo, de Gabz 404 (Autopublicado)

Quilo – Journal of photographic tales from Brazil, de Mico Toledo (Autopublicado)

Radical melancolia, de Nina Nunes (Autopublicado)

Regresamos con novedad, de Lilia Cuero (Aquí y Allá)

Roots to Fruits Nº1 Ghanaian highlife, de Mirelle van Tulder e Dele Adeyemo (Roots to Fruits)

Sergio, la cámara y yo, de José Ruiz e Arturo Salazar (ediciónesréplica)

Shadow over shadow, de Vitor Casemiro (MASA/The PhotoBookMuseum)

Substrato, de Lua Alencar (Autopublicado)

Traducción de La Odisea siguiendo un sistema de reproducción aleatória, de Magdalena Pardo (Metaninfas)

Vá me desculpando qualquer coisa, de Emrah Kartal (Tempo d’Imagem)

Vênus movimento 1 – Fascinação, de Val Souza (Aziza)

Voltei porque te amo, Coletivo Deriva Cartográfica (Editora Gris)

Your eyes shine when they see me burning, Rochele Zandavalli (Editions Bessard)