Imagem e fotografia entre povos indígenas

Curso

Com Pedro de Niemeyer Cesarino Parte de Cursos e oficinas 2019/2

Quando

6, 13, 20 e 27 de agosto de 2019, terças, das 19h às 21h

Ingressos

Vendas pelo Eventbrite. Mais informações em Como participar

IMS Paulista

Sala de aula
Avenida Paulista, 2424
São Paulo/SP

Uma introdução à fotografia de povos indígenas no Brasil e a suas concepções de imagem. A construção da fotografia sobre indígenas será contraposta às suas próprias noções e relações com a imagem, a fim de evidenciar contrastes estéticos, políticos e ontológicos envolvidos no encontro entre regimes visuais distintos. As aulas partirão de uma introdução geral às noções de corpo, estética e imagem entre os povos ameríndios das terras baixas da América do Sul. Em seguida, tratarão de apresentar os momentos fundamentais da história da fotografia de povos indígenas, desde meados do século XIX até os tempos atuais. Por fim, abordarão os usos e as transformações da fotografia e de outros registros visuais pelos próprios povos ameríndios contemporâneos.

O curso não exige conhecimento prévio dos temas.

Aracá, Amazonas / Surucucus, Roraima, 1983. Foto © Claudia Andujar

Como participar

Quando
6, 13, 20 e 27 de agosto de 2019, terças, das 19h às 21h

R$200, pelos 4 encontros

45 vagas

Estudantes, professores e maiores de 60 anos têm 50% de desconto em todos os cursos


Sobre Pedro de Niemeyer Cesarino

É professor do Departamento de Antropologia da FFLCH-USP. Publicou Oniska: poética do xamanismo na Amazônia e Quando a Terra deixou de falar: cantos da mitologia marubo, entre outros livros e artigos. Dedica-se ao estudo das relações entre antropologia, arte e literatura.


Programa

1) Introdução às concepções de imagem, corpo e estética entre povos ameríndios. Estudo da composição da pessoa e da noção de duplo via análise de casos etnográficos. Relações entre xamanismo, experiência visual, documentação e captura de imagens.

2) Introdução ao surgimento da história da fotografia de povos indígenas. As fórmulas visuais e a construção do selvagem nos antecedentes da fotografia (De Bry, Eckhout, Rugendas, Debret, Florence, entre outros). Dos daguerreótipos à documentação fotográfica de expedições: produção do exotismo, da classificação e da racialização (Thiesson, Frisch, Ferrez, Koch-Grünberg, Huebner e outros).

3) Documentação fotográfica e propaganda no século XX: documentação visual da Comissão Rondon; produção etnográfica e fotografia em meados do século XX (Darcy Ribeiro, Harald Schultz, Claude Lévi-Strauss, Heinz Forthmann, Alice Brill, Henri Ballot e outros). Narrativa jornalística e construção do indígena brasileiro: a revista O Cruzeiro. Fotojornalismo na década de 1970 em diante: política e ativismo.

4) Fotografia autoral de povos indígenas: Claudia Andujar, Maureen Bisilliat, Milton Guran, Rosa Gauditano, Sebastião Salgado, Miguel Rio Branco, Eduardo Viveiros de Castro e outros. Imagem e fotografia de povos indígenas na arte contemporânea brasileira: Anna Bella Geiger e Cildo Meirelles. Povos indígenas, tecnologias digitais e fotografia: transformações e apropriações.


Cursos e oficinas no IMS Paulista

Com destaque para a fotografia e voltada tanto para o público leigo quanto para quem deseja aprofundar os conhecimentos, a programação de cursos contempla também áreas como música, cultura pop e artes visuais, além de dialogar com as exposições em cartaz no centro cultural.